CoronaVac é eficaz contra casos graves da variante delta, aponta estudo

A pesquisa foi publicada pelo jornal científico britânico The Lancet

Resumo da Notícia

  • CoronaVac é eficaz contra casos graves da variante delta, aponta estudo
  • A pesquisa foi publicada pelo jornal científico britânico The Lancet
  • Ele mostrou que a CoronaVac evita em 100% o desenvolvimento de casos graves de covid-19 causado pela variante delta
  • Além disso, apontou que a vacina tem eficácia de 69,5% contra pneumonias decorrentes da doença

Um estudo feito por pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da província de Cantão (Guangdong), na China, mostra que a vacina CoronaVac evita em 100% o desenvolvimento de casos graves de covid-19 causado pela variante delta e tem eficácia de 69,5% contra pneumonias decorrentes da doença.

-Publicidade-

A pesquisa foi publicada pela revista científica britânica The Lancet e os resultados  foram divulgados pelo governador João Doria em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 19 de agosto. O Instituto Butantan também está conduzindo um estudo sobre a CoronaVac.

CoronaVac é eficaz contra casos graves da variante delta, aponta estudo (Foto: Getty Images)

“Esse é a conclusão do primeiro estudo publicado sobre a eficácia da Coronavac, vacina do Butantan e da biofarmacêutica chinesa Sinovac contra a covid-19, na prevenção de pneumonias e casos graves causados pela variante delta”, disse o governador, durante a coletiva.

A pesquisa, intitulada, “Effectiveness of Inactivated COVID-19 Vaccines Against Covid-19 Pneumonia and Severe Illness Caused by the B.1.617.2 (Delta) Variant: Evidence from an Outbreak in Guangdong, China”, traz mais esperanças na luta contra a variante delta da covid-19, pois conclui que a imunização total com duas doses foi 69,5% eficaz para prevenir pneumonia, um dos desdobramentos mais graves da doença. O estudo aponta que, entre não vacinados, houve 85 casos de pneumonia (1,44%). Entre os vacinados com uma dose, 12 casos (1,42%); e entre os vacinados com duas doses, cinco casos (0,35%).

Além disso, entre os vacinados com as duas doses, não foram registrados casos críticos da doença, o que indica que a CoronaVac tem 100% de eficácia contra o desenvolvimento de casos graves de covid-19, da variante delta. Na pesquisa, entre os não vacinados, houve 19 casos graves ou críticos da doença.

A pesquisa foi feita entre maio e junho de 2021, durante um surto da variante delta, e contou com a participação de 10.813 pessoas. Com exceção do grupo controle, os participantes haviam sido vacinados com uma das quatro vacinas de vírus inativado autorizadas para uso emergencial na China – a vacina da Sinovac (que no Brasil é chamada Coronavac), as vacinas HB02 e WIV04, da Sinopharm, e a BICV, da Biokangtai.

Dentre as pessoas que participaram da pesquisa, 5.888 (54,45%) não foram vacinados, 3.130 tomaram a primeira dose e 1.795 tomaram as duas doses. Entre os participantes que tomaram a primeira dose, 48,57% (2.392 pessoas) foram imunizadas com a vacina da Sinovac; entre os que receberam as duas doses, o indicador foi de 58,28% (1.046 pessoas).

Mais informações sobre a variante delta

No Brasil, a primeira morte pela variante indiana aconteceu, infelizmente, no dia 18 de abril, em uma grávida de 42 anos. Até o momento, o Rio de Janeiro é o estado com o maior número de casos, registrando 74 deles.

A variante delta já está no Brasil e é mais transmissível (Foto: Getty Images)

Com os casos da covid-19 no Brasil, inclusive das variantes, é comum surgirem dúvidas quanto à transmissibilidade e um possível agravamento da situação da pandemia no país. De acordo com o Dr. Filipe Prohaska, infectologista do Grupo Oncoclínicas, pai de Letícia e Luisa, a variante delta é conhecida por ser mais transmissível do que as outras cepas.

“O que sabemos é que por ser mais transmissível, ela faz com que os sistemas de internação se lotem muito mais rápido. Então, você tem uma sobrecarga do sistema de saúde e com isso, demora mais para o paciente chegar ao hospital e ter o tratamento adequado. E essa é a preocupação”, explica o médico.

Até o momento, não existem estudos provando que a variante Delta tenha uma taxa de mortalidade maior. Mas, o médico alerta que com a sobrecarga dos sistemas de saúde, os pacientes infectados não conseguem ter o tratamento adequado. “Isso faz com que haja uma maior demora por causa da lotação”, lamenta.

Filipe comenta que a variante Delta pode causar a recontaminação nos pacientes que já tiveram a covid-19, mas vale lembrar que o assunto ainda está em discussão. “Não temos dados que sugiram que a variante Delta leve a um quadro mais grave ou mais leve pela reinfecção”. Para ver mais informações sobre a variante delta da covid-19, clique aqui.