Coronavírus: OMS traz novas diretrizes sobre a retomada das aulas presenciais

As regras traz formas práticas para o funcionamento das atividades, incluindo especificações sobre o distanciamento social, a ventilação e o uso de máscaras

Resumo da Notícia

  • OMS divulga regras para retomada das aulas
  • As regras falam sobre distanciamento, uso de máscaras e ventilação
  • Veja as novas diretrizes

Pela primeira vez desde maio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou as orientações para a retomada das aulas presenciais nesta semana. Dentre as medidas, estão o distanciamento entre estudantes, higiene, máscaras para os alunos mais velhos e dezenas de outras precauções. De acordo com o que foi divulgado pela UOL, o recado apresentado pela organização orienta às autoridades a darem prioridade para a reabertura de escolas, e não de bares ou restaurantes.

-Publicidade-
OMS traz novas orientações sobre volta às aulas (Foto: iStock)

“Em geral, a maioria das evidências de países que reabriram escolas ou nunca as fecharam, sugere que as escolas não foram associadas a aumentos significativos na transmissão comunitária”, revela a OMS. Apesar disso, a entidade reconhece que, em locais de intensa transmissão, a opção por fechar novamente uma escola deve ser considerada, principalmente onde há mortes crescentes e um número elevado de hospitalização. Mas fechar escolas deve ser considerado apenas como “última opção”.

Como apontado pela UOL, para os demais cenários, a recomendação é de manter alunos e professores em pequenos grupos que não se misturam, escalonar o início das aulas, intervalos, banheiro, refeições e horários finais, além de dezenas de outras medidas.

-Publicidade-

Nas novas regras, a OMS propôs novas orientações para o distanciamento, sendo:

Novas regras de distanciamento (Foto: Getty Images)

– Fora das salas de aula a determinação é de manter uma distância de pelo menos 1 metro tanto para os estudantes (todas as faixas etárias) quanto para o pessoal, sempre que possível.

– Dentro das salas de aula, uma abordagem baseada no risco deve ser aplicada para manter uma distância de pelo menos 1 metro entre os estudantes. Os benefícios da adesão ao distanciamento físico de pelo menos 1 metro dentro de uma sala de aula devem ser ponderados em relação aos ganhos sociais, emocionais, de desenvolvimento e de saúde mental decorrentes das interações entre as crianças.

– O professor e o pessoal de apoio devem manter pelo menos 1 metro de distância um do outro e dos alunos. Quando manter pelo menos 1 metro de distância não é prático ou dificulta o apoio aos alunos, os professores e o pessoal de apoio devem usar uma máscara.

– Em locais onde há apenas casos esporádicos da covid-19, crianças com menos de 12 anos de idade não devem ser obrigadas a manter distância física o tempo todo.

– Sempre que possível, crianças com 12 anos ou mais devem manter pelo menos 1 metro de distância umas das outras.

– Em locais sem casos de transmissão, crianças com menos de 12 anos de idade não devem ser obrigadas a manter distância física o tempo todo.

– Limitar a mistura de aulas e de faixas etárias para atividades escolares e pós-escolares.

Já para o uso de máscaras, as regras são:

Uso de máscaras (Foto: Getty Images)

– Crianças com menos de 5 anos de idade não devem ser obrigadas a usar máscaras.

– Para crianças entre seis e 11 anos de idade, deve ser aplicada uma abordagem baseada no risco para a decisão de usar uma máscara. Esta abordagem deve ser levada em consideração: a intensidade de transmissão na área em que a criança se encontra e dados disponíveis sobre o risco de infecção e transmissão nesta faixa etária.

– Também deve ser levado em consideração a capacidade da criança de cumprir com o uso apropriado de máscaras e a disponibilidade de supervisão apropriada de adultos.

– Impacto potencial do uso da máscara sobre a aprendizagem e o desenvolvimento psicossocial

– Considerações específicas adicionais e adaptações para ambientes específicos, tais como atividades esportivas ou para crianças com deficiências ou doenças subjacentes.

– Crianças e adolescentes de 12 anos ou mais devem seguir as diretrizes nacionais de máscara para adultos.

– O professor e o pessoal de apoio podem ser obrigados a usar máscaras quando não puderem garantir uma distância mínima de 1 metro dos outros ou quando houver uma transmissão generalizada na área.

– Todos os esforços devem ser feitos para garantir que o uso de uma máscara não interfira no aprendizado.

– Não deve ser negado às crianças o acesso à educação por causa do uso de máscaras ou da falta delas por causa dos baixos.

Quanto à ventilação, as regras são:

A ventilação também terá regras específicas (Foto: Getty Images)

– Considerar o uso de ventilação natural (isto é, abrir janelas se possível e se for seguro fazê-lo) para aumentar a diluição do ar interno pelo ar externo quando as condições ambientais e os requisitos do edifício o permitirem.

– Garantir ventilação adequada e aumentar o fornecimento total de ar para os espaços ocupados, se possível.

– Se forem utilizados sistemas de aquecimento, ventilação e ar condicionado, eles devem ser inspecionados, mantidos e limpos regularmente. Normas rigorosas para instalação e manutenção de sistemas de ventilação são essenciais para garantir que eles sejam eficazes e seguros.

– Criar um horário para a higiene frequente das mãos, especialmente para crianças pequenas, especificamente na chegada da escola e em certos momentos-chave da rotina escolar, inclusive antes do lanche e do almoço e antes da saída da escola; fornecer sabão suficiente e água limpa ou esfregar à base de álcool nas entradas da escola e em toda a escola e nas salas de aula, sempre que possível; assegurar distanciamento físico quando os alunos esperam nos pontos de higiene/lavagem das mãos usando sinalização no chão.

– Programar a limpeza regular do ambiente escolar diariamente, incluindo banheiros, com água e sabão/detergente e desinfetante. Limpar e desinfetar superfícies frequentemente tocadas, tais como maçanetas de porta, escrivaninhas, brinquedos, suprimentos, interruptores de luz, equipamentos para brincar, materiais didáticos usados pelas crianças e capas de livros compartilhados; elaborar listas de verificação para os limpadores das escolas para garantir que todas as tarefas diárias de higiene sejam realizadas e garantir o fornecimento de materiais de limpeza e proteção para o pessoal de limpeza, tais como equipamentos de proteção individual.

– Avaliar o que pode ser feito para limitar o risco de exposição, ou contato físico direto, em aulas de educação física, esportes, música ou outras atividades físicas e parques infantis, áreas molhadas (chuveiro/piscina) e vestiários, laboratórios de informática, bibliotecas, banheiros e refeitórios/cafeteria.

– Aumentar a frequência da limpeza na cantina, ginásio e instalações esportivas e vestiários. Fornecer estações de higiene das mãos nas entradas e saídas, estabelecer circulação unidirecional dos atletas através das instalações e limitar o número de pessoas permitidas no vestiário de cada vez; exibir informações claras sobre o número de pessoas permitidas na entrada das instalações individuais da escola.

– Estabelecer medidas de higiene respiratória e das mãos e distanciamento físico no transporte, tais como ônibus escolares. Se possível, as janelas dos ônibus devem ser mantidas abertas; fornecer informações para os alunos sobre o transporte seguro de ida e volta à escola, inclusive para aqueles que utilizam transporte público.

-Publicidade-