Covid-19: Enfermeira mexicana é a primeira vacinada na América Latina

Maria Irene Ramirez, de 59 anos, foi a primeira habitante da região a receber o imunizante desenvolvidos pela farmacêutica Pfizer, em parceria com a BioNTech

Resumo da Notícia

  • Uma enfermeira de 59 anos foi a primeira pessoa da América Latina a tomar a vacina contra a Covid-19
  • Maria Irene Ramirez vive no México, país que está utilizando os imunizantes desenvolvidos pela farmacêutica Pfizer, em parceria com a BioNTech
  • O país já acumulou mais de 1,33 milhões de casos da Covid-19 e registrou 119.495 mortes pelo vírus desde o início da pandemia

Uma enfermeira de 59 anos foi a primeira pessoa da América Latina a tomar a vacina contra a Covid-19 nesta quinta-feira, 24 de dezembro. Maria Irene Ramirez vive no México, país que está utilizando os imunizantes desenvolvidos pela farmacêutica Pfizer, em parceria com a BioNTech.

-Publicidade-
A enfermeira foi a primeira pessoa da região a ser imunizada (Foto: Unsplash)

Com 128 milhões de habitantes, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, comemorou o início da vacinação. “São poucas doses, mas o México é o primeiro na América Latina a ter esta vacina”, disse

O país já acumulou mais de 1,33 milhões de casos da Covid-19 e registrou 119.495 mortes pelo vírus desde o início da pandemia. Hoje, o México ocupa o quarto lugar no número de óbitos do mundo

-Publicidade-

As primeiras doses da vacina serão destinadas aos profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate ao novo coronavírus. Devido a logística envolvida na aplicação do imunizante, a aplicação será feita na Cidade do México e no estado de Coahuila, no norte do país.

Primeira pessoa é vacinada contra o vírus nos Estados Unidos no início do mês

A enfermeira foi a primeira a ser vacinada nos EUA (Foto: Reprodução/ CNN)

Nesta segunda-feira, 14 de dezembro, uma enfermeira estadunidense foi a primeira vacinada contra a Covid-19 nos EUA. A aplicação foi em Sandra Linday, no Centro Médico Judaico de Long Island, em Nova York.

O momento foi transmitido ao vivo em uma live organizada pelo governador do estado Andrew Cuomo. Após a aplicação a mulher desabafou sobre como estava se sentindo.

(Foto: Unsplash)

“Espero que isso marque o começo do fim de uma época muito dolorosa em nosso país. Quero dar ao público a confiança de que a vacina é segura. Estamos em uma pandemia, então todos nós precisamos fazer a nossa parte para colocar um fim nesta pandemia”, disse ela.

“Há luz no fim do túnel, mas ainda precisamos continuar a usar máscaras, a nos distanciar socialmente. Eu acredito na ciência. Como enfermeira, minha prática é guiada pela ciência, então eu confio nela. O que eu não confio é que, se eu contrair a Covid, eu não sei como isso vai me impactar ou aqueles com quem eu entrar em contato. Então encorajo todos a tomarem a vacina”, complementou.

A aprovação do uso emergencial dos Estados Unidos da vacina da Pfizer ocorreu neste domingo, 13 de dezembro. As primeiras foram entregues a 600 locais em todo o país. É esperado que o país vacine cerca de mil profissionais de saúde nesta segunda.