Covid-19: entenda cada fase do plano de vacinação previsto para 2021

O Ministério da Saúde liberou um documento com uma prévia de como funcionará a imunização. A população será dividida, a princípio, em 4 grupos

Resumo da Notícia

  • Ministério da Saúde divulga plano prévio para vacinação contra Covid-19
  • A vacinação será dividida em 4 fases
  • Entenda como irá funcionar

O Ministério da Saúde anunciou na última terça-feira, 1 de novembro, um plano preliminar de vacinação contra a Covid-19 no Brasil. De acordo com o documento, as doses serão dividias em quatro fases, prorizando certos grupos da população. A vacinação deverá começar em março de 2021, segundo a previsão do Ministério da Saúde. Eles acreditam o plano se encerará em dezembro de 2021.

-Publicidade-
Veja como será o plano (Foto: Freepick)

Na primeira fase, receberão a vacina trabalhadores da área de saúde e idosos com mais de 75 anos. Pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência (como asilos e instituições psiquiátricas) e população indígena também poderão receber a imunização. Logo em seguida, na segunda fase, será a vez de idosos entre 60 e 14 anos em qualquer situação.

Na fase 3, receberão a vacina indivíduos com condições de saúde que estão relacionadas a casos mais graves de Covid-19. Logo em seguida, da quarta fase, a vacina será dada aos professores, profissionais das forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade. Quanto à população geral, não se sabe quando acontecerá a vacinação, o que é esperado considerando a grande demanda pela vacina no mundo todo.

Os critérios poderão ser alterados de acordo com os imunizantes que forem escolhidos pelo Ministério da Saúde, após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “É importante destacar que o plano que está sendo discutido ainda é preliminar e sua validação final vai depender da disponibilidade, licenciamento dos imunizantes e situação epidemiológica”, disse o ministro da saúde, Eduardo Pazuello.

Quanto à quantidade de seringas e agulhas para aplicar a vacina, o documento ressaltou que o Ministério da Saúde está negociando a compra desses equipamentos. Até o momento, encontra-se em andamento processo de compra de 300 milhões de seringas e agulhas no mercado nacional para aplicação das doses, e outras 40 milhões no mercado internacional.