Covid-19: pesquisadores afirmam que transmissão por embalagens e comida é improvável

Dois órgãos de autoridade dos Estados Unidos, emitiram um comunicado dizendo que não foram encontradas evidências de que alimentos ou embalagens possam ser fonte de transmissão

Resumo da Notícia

  • Segundo dois órgãos de autoridade dos Estados Unidos, a FDA (Food and Drugs Administration) e a USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a possibilidade de transmissão do vírus por meio de alimentos e embalagens é muito pequena
  • Entre os mais de 100 milhões de casos de Covid-19, não foram encontradas evidências de que alimentos ou embalagens possam ser fonte de transmissão
  • As autoridades ainda lembram que o coronavírus é transmitido pelo ar e não por alimentos contaminados

Com a pandemia do novo coronavírus, muitos hábitos mudaram, principalmente, em relação a higiene. A possibilidade de transmissão do vírus por meio de alimentos e embalagens ainda gera muita preocupação. Grande parte das famílias adotou a prática de limpar embalagem por embalagem depois de cada ida ao mercado.

-Publicidade-

Mas a boa notícia é que dois órgãos de autoridade dos Estados Unidos, a FDA (Food and Drugs Administration) e a USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), emitiram um comunicado que pode tranquilizar a população. Segundo eles, é improvável que haja contaminação por esses meios.

Não foram encontradas evidências de que alimentos ou embalagens possam ser fonte de transmissão de Sars-CoV-2 (Foto: Reprodução)

“Os consumidores devem ter certeza de que continuamos acreditando, com base em nosso entendimento das informações científicas confiáveis atualmente disponíveis, e apoiados por um consenso científico internacional esmagador, que os alimentos e suas embalagens têm pouca probabilidade de espalhar a Sars-CoV-2”, diz o comunicado.

-Publicidade-

No texto, as autoridades ainda lembram que o coronavírus é transmitido pelo ar e não por alimentos contaminados, “ao contrário dos vírus transmitidos por alimentos ou que são gastrointestinais, como o norovírus e a hepatite A, que costumam adoecer as pessoas por meio de alimentos contaminados”.

Segundo os pesquisadores, entre os mais de 100 milhões de casos de Covid-19, não foram encontradas evidências de que alimentos ou embalagens possam ser fonte de transmissão de Sars-CoV-2. “Dado que o número de partículas de vírus que, teoricamente, poderiam ser captadas tocando uma superfície seria muito pequeno e a quantidade necessária para infecção por inalação oral seria muito alta, as chances de infecção ao tocar a uma embalagem ou comer algum alimento são consideradas extremamente baixas”, finaliza o texto.