Creche e casa de repouso se unem e provam que convívio entre crianças e idosos muda a vida de todos

Pelo menos 5 dias por semana, os pequenos, de 6 meses a 5 anos, participam de atividades com os idosos, que têm em média 92 anos. De tão legal, a interação acabou gerando um documentário sobre o dia a dia do Providence Mount St. Vicent

Resumo da Notícia

  • Uma casa de repouso localizada em Seattle, nos Estados Unidos, recentemente se transformou também em creche
  • Isso para promover a interação entre as crianças e os idosos
  • As diferentes gerações acabam tendo aulas de música, contando histórias e até aprendendo sobre arte juntas

Uma casa de repouso localizada em Seattle, nos Estados Unidos, recentemente se transformou também em creche! Isso para promover a interação entre as crianças e os idosos. Pelo menos 5 dias por semana, os pequenos, de 6 meses a 5 anos, participam de atividades com os idosos, que têm em média 92 anos.

-Publicidade-

As diferentes gerações acabam tendo aulas de música, contando histórias e até aprendendo sobre arte juntas. O Intergeneration Learning Center (Centro de Aprendizado Intergeracional) tenta promover a integração entre esses 2 grupos, tendo objetivos diferentes entre os participantes.

Para as crianças, segundo o Razões Para Acreditar, a ideia é desmistificar a velhice e trazer a conscientização de como os idosos devem ser tratados. Já para o as pessoas da terceira idade, o objetivo é mostrar que eles continuam tendo uma função social e que os últimos anos de suas vidas também devem ser bem vividos.

(Foto: Shutterstock)

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!

“Nós queríamos que este lugar fosse um local no qual as pessoas viessem para viver, não viessem para morrer”, conta Charlene Boyd, administradora do Providence Mount St. Vicent.

Uma das primeiras crianças a participar do projeto, inclusive, foi o filho de Boyd, Ryan Smith. Em 2015, com 23 anos na época, o jovem contou ao Seattle Times que o programa fez com que ele crescesse com a sensação de que precisa ajudar o próximo. Essa interação acabou gerando um documentário sobre o dia a dia do Providence Mount St. Vicent. Veja o trailer abaixo (para legendas em Português, escolha a opção “traduzir automaticamente”).