Criança pode ser vegana? Veja os cuidados que os pais devem tomar na nutrição dos filhos

Cada vez mais comum, a adoção de uma alimentação vegana está presente também na rotina alimentar das crianças, até mesmo a partir da gestação das mães

Hoje é comemorado o Dia Mundial do Veganismo! Cada vez mais pessoas estão se tornando veganas ou vegetarianas, seja por motivos de sustentabilidade, de saúde ou pela defesa dos animais.  Em relação à nutrição, os benefícios da alimentação vegetariana, por exemplo, para a saúde são cada vez maiores e estão sendo reconhecidos por grandes organizações – como a Organização Mundial de Saúde (OMS), que se pronunciou sobre os riscos do consumo elevado de carnes. Em 2015, por exemplo, a OMS classificou as carnes processadas como produtos que podem estimular o aparecimento de câncer.

-Publicidade-

Cada vez mais comum, a adoção de uma alimentação vegana está presente também na rotina alimentar das crianças, até mesmo a partir da gestação das mães. É comum ter dúvidas sobre a adaptação da dieta vegetariana ou vegana para o perfeito suprimento das necessidades do bebê e das crianças, e mesmo da mulher ainda em gestação. Segundo Renata Lopes, nutricionista da MBA Pediatria e Nefrologia, em São Paulo, desde 1993 a American Dietetic Association, entidade internacional de referência em nutrição, corrobora com estudos a eficiência deste tipo de dieta em todos os ciclos de vida. Reunimos a seguir algumas das principais dúvidas sobre o tema:

-Publicidade-

O que é o veganismo?

Veganismo é um estilo de vida, vai além da alimentação. O vegano não consome nada que tenha origem animal, inclusive roupas. É como uma dieta vegetariana, mas mais restrita.

Criança também pode ser vegana?

Sim, mas é preciso ter acompanhamento profissional. O prato precisa ter cereais, leguminosas – que são a maior fonte de proteína – e hortaliças em quantidades iguais. É importante ficar de olho na vitamina B12.

(Foto: Getty Images)

Somente a dieta carnívora garante a base nutricional do bebê ou criança? 

Não é a adoção da carne por si só que irá oferecer a garantia de uma nutrição completa, mas sim o equilíbrio nutricional de uma rotina alimentar. Uma criança que tenha uma dieta carnívora, mas sem equilíbrio de nutrientes, pode vir a desenvolver uma série de doenças nutricionais, e o mesmo ocorre com a criança vegetariana.

Qual a diferença ente má nutrição e desnutrição?

A má nutrição está relacionada com a qualidade ruim da alimentação e a desnutrição é uma condição em que ocorrem problemas de saúde relacionados ao consumo insuficiente de nutrientes.

Gestantes vegetarianas precisam de orientação nutricional específica?

Toda gestante precisa de um acompanhamento nutricional, sendo comum a prescrição de vitaminas para suplementação devido ao maior consumo de nutrientes utilizados para o desenvolvimento da criança nessa fase. O mesmo vale para gestantes vegetarianas que também podem receber um acompanhamento mais individualizado neste período.

(Foto: Getty Images)

O leite materno da mamãe adepta do vegetarianismo ou veganismo é mais fraco nutricionalmente?

Não, uma vez que a adoção dessas dietas, por si só, não gera deficiência de nutrientes e tão pouco as crianças estarão mais sujeitas a doenças após o desmame.

Seria possível definir qual das dietas, carnívora ou vegetariana, é mais saudável?

Quando bem equilibrada ambas são saudáveis, inclusive estudos científicos demonstram que a dieta vegetariana segue padrões mais saudáveis de escolhas alimentares.

O que considerar na adoção das substituições alimentares dentro de uma dieta vegetariana ou vegana?

As substituições devem ser feitas sempre considerando o grupo alimentar para que a dieta não fique desequilibrada. A segurança sobre a adoção do tipo de dieta alimentar passa pelo aconselhamento com nutricionista especializado, bem como por pediatra que terá nos exames de rotina análise sobre o pleno desenvolvimento da criança.

Qual a dica para quem quer começar?

As pessoas estão criando consciência alimentar e mais empatia com os animais, então o primeiro passo é ter informação. Procurar saber como substituir os alimentos, ter o acompanhamento de um profissional adequado para instruir e ver como  saúde está antes de mudar a dieta.

Fonte: Renata Lopes, nutricionista pediátrica da clínica MBA Pediatria e Nefrologia. Renata Cortella, especialista em avaliação metabólica e nutricional. 

-Publicidade-