Criança que lutava contra 3ª leucemia grave por 1 ano perde a vida: “Pedi pra ela descansar”

Yasmim Marques Brito, de 8 anos, lutou com muita força contra leucemia rara, da qual foi acometida 3 vezes

Resumo da Notícia

  • Yasmim Marques Brito, de 8 anos, lutou com muita força contra leucemia rara, da qual foi acometida 3 vezes
  • Mas, depois de mais de 1 ano de luta a pequena descansou
  • Desde o fim de novembro, a menina estava internada no Hospital do Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer (Graacc), em São Paulo

Yasmim Marques Brito, de 8 anos, lutou com muita força contra leucemia rara, da qual foi acometida 3 vezes. Mas, depois de mais de 1 ano de luta a pequena descansou. Desde o fim de novembro, a menina estava internada no Hospital do Grupo de Apoio ao Adolescente e Criança com Câncer (Graacc), em São Paulo, recebendo todo o amparo médico para que ficasse bem, porém, a chance de cura era menor de 50%.

-Publicidade-

A criança foi diagnosticada em março de 2019 com leucemia mielóide aguda (LMA), doença que geralmente acomete pessoas com mais de 55 anos.

Ela descansou após mais de 1 ano de luta (Foto: Reprodução/ G1)

Depois de cinco sessões de quimioterapia, a doença entrou em remissão e não havia mais sinais de atividade no sangue. Em janeiro deste ano, a doença voltou, e a família passou a buscar por um doador de medula 100% compatível, que acabou sendo a da irmã mais nova.

-Publicidade-

“Foi coisa de Deus, elas são idênticas geneticamente. Quando ela [médica] deu a notícia, foi uma alegria danada”, disse a mãe na época. Em fevereiro ela fez o transplante medular e pouco tempo depois, no dia 7 de março, veio a tão esperada notícia: Yasmim estava curada.

Infelizmente, em junho o câncer voltou, mas dessa vez a chance de cura era menor de 50%. Segundo a mãe, a menina não aguentaria novas doses de quimioterapia, por isso, ela não passou por um novo transplante. Com a volta da leucemia, Yasmim passou a ser acompanhada novamente por médicos do Graacc, e sempre que precisava recebia transfusão de sangue e plaquetas.

A irmã tinha medula 100% compatível (Foto: Reprodução/ G1)

“Minha princesinha está onde merece estar, na glória de Deus. Tenho certeza que tem muita festa no céu pra ela, pedi pra Ele preparar uma gloriosa festa para recebê-la, e logo que pedi, ela se foi… Calma e serena. Parecia um anjo dormindo. Pedi perdão a Deus pelo meu egoísmo de querer ela aqui comigo, quando a vontade dEle era melhor que a minha. Ela venceu a luta e foi tão resistente que chegou a surpreender os médicos inúmeras vezes, pedi pra ela descansar e ir em paz que eu ia logo, logo. Obrigada a todos que oraram e clamaram por ela, não se lamentem, não fiquem de luto, agradeçam a Deus pela sua vida e dos seus, agradeçam por tudo que tens [sic]”, disse a mãe em texto nas redes sociais.

Na publicação, Daniela também informou que os familiares não iriam velar e nem enterrar o corpo da filha, pois estavam em processo de doação para um instituto de pesquisas.