Família

Cris Guerra abre o coração com homenagem para a mãe e compartilha foto inédita das duas

A mãe da autora morreu há 25 anos e ela escreveu um texto para falar sobre a saudade que sente

Cinthia Jardim

Cinthia Jardim ,filha de Luzinete e Marco

Os seguidores repararam na semelhança entre as duas (Foto: reprodução / Instagram)

Cris Guerra, autora de 5 livros, nossa colunista, palestrante e mãe (e pai) de Francisco, de 11 anos, postou uma foto fazendo uma comparação junto a uma homenagem para a mãe, que morreu há 25 anos, pelo Instagram. A imagem foi publicada na manhã dessa quinta feira, 7 de novembro e ela contou que ainda aprende a lidar com a saudade.

Na legenda, Cris abriu o coração: “Faz 25 anos, Mãe. Talvez eu tenha preferido esquecer minhas viagens na sua direção, para que doesse menos. Mas há alguns dias deparei com essa foto nossa. No sofá comprido, poderíamos estar acomodadas com um mínimo de distância. Flagradas por um olhar no meio do cotidiano, eu me escondo tímida. Você encara a câmera, com uma coragem e um humor que reconheço como meus. Há uma alegria corajosa de quem olha a vida de frente – e comenta com os olhos”.

Cris e Francisco (Foto: reprodução / Instagram)

Com uma segunda imagem, dessa vez ao lado do filho, ela reproduziu a pose que havia feito entre mãe e filha e continuou o texto: “Sou eu ali, em você. É o Francisco em mim. Estamos todos: você, eu, Francisco e essa continuidade. Seus dois últimos anos de vida foram tão sofridos, que me calaram sua alegria. Tratei de calar também meu choro, como quem silencia uma arma sem impedir o tiro. A ferida ficou aqui, amordaçada para que não a vissem. Varri o luto para debaixo do tapete e desaprendi o mapa até você. Agora chega. Tirei o mato da estrada, fiz um caminho na terra e vou indo. Lembrar, chorar, sorrir e celebrar você. Vou cantando, no ritmo da minha saudade“, concluiu.

Nos comentários, amigos e seguidoras da Cris deixaram mensagens de apoio: “Cris, nunca vou esquecer das suas palavras no blog, contando da passagem dela, a música tocando e seu pai: “Fiquei te devendo Paris”. Acredite, isso me tocou tão fundo, que quando cheguei em Paris, lembrei dela”, escreveu uma. “lembrei da música de Gil “eu passei muito tempo pra saber que a mulher que eu amei, que amo, que amarei será sempre a mulher como é minha mãe”, disse outra. “Ai Cris, foi lá no fundo, me emocionei com você”, concluiu mais uma.

Leia também:

“Estamos todos, adultos e crianças, necessitando de um banho da velha infância”, afirma Cris Guerra

Cris Guerra desabafa: “O mercado de trabalho não aprendeu a ser mãe”

Cris Guerra conta como lidou com a morte do marido quando estava prestes a ter o filho