Cuidado materno é reconhecido como trabalho na Argentina e dá direito a aposentadoria

Medida assinada pelo presidente Alberto Fernández garante um benefício para mais de 155 mil argentinas

Resumo da Notícia

  • A nova medida foi publicada nesta última segunda-feira, 19 de julho
  • Mais de 155 mil mulheres vão se beneficiar
  • Foram incluídas também mulheres grávidas e mães de filhos adotados

Que vitória! O governo Argentina divulgou que mulheres entre 60 e 64 anos que exercem ou exerceram funções de maternidade receberam uma aposentadoria como forma de pagamento pelos anos de trabalho materno. De acordo com a medida assinada pelo presidente Alberto Fernández que foi publicada nesta última segunda-feira, 19 de julho, cerca de 155 mil argentinas vão receber o benefício.

-Publicidade-
A conquista foi comemorada por mulheres de toda Argentina (Foto: Reprodução / Danny Cosméticos)

Incluída no Programa Integral de Reconhecimento de Tempo de Serviço por Tarefas Assistenciais, a medida foi criada pela Administração Nacional de Seguridade Social (Anses) com a justificativa de promover uma reparação previdenciária. Segundo a Anses, 44% das mulheres com idade de se aposentar (60 anos ou mais) não recebem o benefício porque não trabalharam os 30 anos exigidos pela lei. O principal motivo é a pausa no emprego por causa da maternidade.

“As mulheres responsáveis ​​pelos agregados familiares com crianças e adolescentes são as mais afetadas pela crise: enfrentam uma pior inserção no mercado de trabalho (níveis mais elevados de informalidade, maior instabilidade, salários mais baixos) enquanto vivenciam a pobreza de tempo agravada pela pandemia. Como consequência, diminui a sua taxa de participação econômica e aumenta o seu desemprego, o que aumenta os níveis de pobreza e indigência nas suas casas”, declarou a Direção de Economia e Gênero do Ministério da Economia da Argentina.

Além das mulheres que já têm filhos, a medida também abrange grávidas, desde que voltem à mesma atividade que exerciam no início da licença ou no período de licença. As regras também valem para mães de crianças adotadas. Segundo cálculos de Anses, cerca de 155.000 mulheres poderiam se aposentar graças a esses anos de contribuição. “As mulheres participam menos do mercado de trabalho remunerado e, quando o fazem, têm maiores dificuldades do que os homens para acessar empregos com carteira assinada. Além disso, sofrem intermitências em suas trajetórias de trabalho e recebem salários menores ”, afirmaram do governo argentino.

Regras para receber o benefício

Algumas das regras listadas pelo governo argentino para receber o benefício são: