Culpa, não! Está tudo bem não conseguir fazer mil e uma coisas com o tempo livre da quarentena

Curso online, aula de yoga ao vivo, aprender uma nova receita, técnicas para cuidar dos filhos em casa. Durante o período de isolamento, as redes sociais podem funcionar contra você. Não tem problema se você não quiser fazer nada durante o seu tempo livre da quarentena, ok?

Resumo da Notícia

  • O período de quarentena não tem sido fácil e, com as redes sociais, tem se tornado às vezes estressante
  • Isso porque é comum que você se pegue comparando com outra pessoa e tenha um sentimento de culpa
  • Se você se sente assim, precisa ler esse texto para entender, de vez, o que sua mãe já te disse muito: você não é todo mundo, e está tudo bem
A comparação com outras pessoas é injusta e sem critério (Foto: Getty Images)

Logo pela manhã, você abre os olhos, vai apalpando até encontrar o celular. A luz acende. Instagram. Primeiro post: amiga fazendo yoga em casa. Segundo post: o colega de trabalho comemorando o diploma de um curso online. Terceiro post: A blogueira com aquele cabelo e pele impecáveis tomando um café da manhã digno de hotel. Você tenta fugir para os stories. Mais uma, duas, três, quatro pessoas fazendo coisas que você não consegue arrumar tempo para fazer. Nem levantou da cama, e já bateu o sentimento de culpa. Você se identifica? Então é hora de mudar isso! 

-Publicidade-

“Mas todo mundo consegue, todo mundo está fazendo”. Não tem problema. Nos deixe te lembrar uma frase que com certeza já ouviu da sua mãe: você não é todo mundo. E está tudo bem. Também vale destacar que a rede social não é a fonte mais confiável para descobrir tudo o que acontece no dia de uma pessoa. “Assim como existem as fake news, existem realidades diferentes daquelas que assistimos nos posts dos outros. Da mesma forma que algumas pessoas nos motivam, outras fazem nos sentirmos culpados”, alerta a psicóloga Viviane Marques, filha de Ana Lucia e Paulo.

A rede social não traduz a realidade

Ela reforça que tudo é muito relativo online e dificilmente você poderá acessar os bastidores da casa, o que gera uma comparação injusta e sem critério. Caso esse tempo de tela esteja te trazendo angústia, vale dar uma cortada. “A atenção psicológica é algo que muitas vezes deixamos para depois, mas não deveríamos”, completa. Sim, tem várias empresas com iniciativas bacanas durante esse período. A oferta é enorme, mas o seu tempo disponível não. Mais do que nunca é necessário eleger as suas prioridades (que podem ser completamente diferentes da sua vizinha, amiga, colega). 

-Publicidade-

“Cada um tem a sua casa, a sua família para cuidar, a sua rede de apoio disponível ou não neste momento e o seu trabalho com adaptações diferentes”, comenta. Por isso, foque naquilo que funciona para você, independentemente do que estão fazendo fora da sua casa. “Não espere que da noite para o dia, só porque estamos dentro de casa, o dia terá mais de 24 horas. Muito pelo contrário! Se antes você contava com escola para deixar as crianças, com um restaurante para oferecer uma comida às vezes, uma diarista para ajudar com a limpeza da casa e parques para entreter a família, agora você precisa executar todos esses papéis”, acrescenta. 

Se as redes sociais estão te fazendo mal, vale a pena desconectar um pouco (Foto: reprodução / Getty Images)

É hora de se cuidar

Estamos passando por um momento de crise. Vai ser difícil atingir a perfeição agora, o que vale é dar o seu melhor. Mãe tem aquela vontade de ajudar todo mundo e, às vezes, acaba esquecendo de si mesma. Tatiane de Sá Manduca, psicóloga e palestrante, mãe de Mateus, lembra: “Nosso corpo e mente são integrados, ou seja, o que ocorre em uma parte afeta o todo”. Todo o estresse com o coronavírus tem deixado várias pessoas vulneráveis, portanto, a essa altura, o principal é fazer aquilo que é importante para o seu equilíbrio e que faz sentido para a sua realidade. 

“Reserve aquilo que é importante  neste momento para o seu bem-estar físico e emocional. Evite promessas de atitudes, viva o momento presente e os vínculos com as pessoas que ama”, recomenda. Para ela, a vida tem nos intimado a repensar os valores, hábitos e relações: “O momento nos pede urgência de sentido e não de pressa”, e a culpa caminha contra esse direcionamento. A psicóloga entende que a autorresponsabilidade é a solução, uma vez que “nos convoca a pensarmos de maneira mais consciente e aprender a lidar com aquilo que acontece, incluindo as adversidades”.   

Todo mundo junto, mesmo separados

É o momento de se unir, mas com cada um na sua casa. Marilene Kehdi, psicóloga e escritora, filha de Miguel e Neusa, enxerga o controle da pandemia como uma responsabilidade coletiva e para que todos possam contribuir, independentemente de qual forma, é válido estabelecer uma rotina organizada. “O cérebro gosta disso e te possibilita criar estratégias para resistir ao confinamento”, justifica. Então é bom manter horário para acordar e fazer as refeições. Esse sistema é positivo tanto para os pais quanto para as crianças

Ir riscando o que você já fez irá te ajudar a perceber quão produtiva está sendo (Foto: Getty Images)

“Quanto mais você organiza o seu dia a dia e coloca isso para a sua família, melhor vai ser para a saúde mental de todos”, opina. É interessante fazer um calendário ou agenda. O simples fato de dar um “check” nos itens trará uma sensação de conforto, sem se preocupar com que a vizinha ou prima consegue ou não fazer: “Essa comparação faz muito mal para a autoestima, autoconfiança e auto-segurança”. Viviane Marques finaliza: “Não coloque mais um peso em uma situação que já está suficientemente difícil. A medida que os dias passam, vamos nos reencontrando nessa nova configuração e tornando o dia-a-dia melhor. Mas isso só será possível quando estivermos conectados com nós mesmos, focando na nossa vida, na nossa casa e na nossa realidade”.  

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-