Daiana Garbin faz desabafo sobre culpa na amamentação: “Chorava de dor”

A jornalista que é mãe Lua, de 4 meses, fruto do relacionamento com o apresentador do BBB21 Tiago Leifert, falou sobre o puerpério

Resumo da Notícia

  • Daiana Garbin falou sobre o período da amamentação da filha, Lua de 4 meses
  • A menina é fruto do relacionamento com o apresentador do BBB21 Tiago Leifert
  • Daiana Garbin disse que alimenta a filha exclusivamente com o leite materno, mas que passou por momentos muito difíceis

Daiana Garbin, falou sobre o período da amamentação da filha, Lua, de 4 meses, fruto do relacionamento com o apresentador do BBB21 Tiago Leifert. A jornalista contou no Instagram que alimenta a filha exclusivamente com o leite materno, mas teve momentos difíceis.

-Publicidade-
Daiana Garbin comemorou o 4º mês de vida da filha com Tiago Leifert (Foto: Reprodução / Instagram @garbindaiana)

Daiana Garbin admitiu que tinha medo da amamentação. “Não foi fácil chegar ao momento que estou hoje, de amamentação exclusiva. Estou dando só o peito desde que ela nasceu. Ela nunca tomou nem complemento, nem mamadeira, nada, só o peito. É uma alegria que nem sei explicar porque eu tinha muito medo da amamentação”, contou ela.

Por conta de ser sensível a dor, ela contou detalhes de como foi o começo da amamentação. “No começo fiquei com o mamilo muito sensível, parecia carne viva e doía muito. Eu tenho a pele muito fininha e sensível nesta região. Era uma dor que só quem passa por isso sabe explicar. É como se você tivesse uma pele machucada que toda hora está cutucando. Não dava tempo de cicatrizar porque dali duas ou três horas no máximo, a bebezinha já está mamando de novo”, disse.

-Publicidade-

Daiana Garbin ainda falou do preparo da mama para o início da produção do leite, no quarto dia da apojadura. “Nessa descida do leite mesmo no quarto dia foi quando quando o bicho pegou para mim. Meus peitos viraram duas pedras. Foi desesperador. O peito está tão cheio, que a criança não tem força para pegar o bico para mamar. Ela fica só na pontinha do bico, daí faz fissura, machuca e sangra”, contou.

Ela ainda falou sobre como lidou com a culpa neste período.  “E o bebê chora de fome e você não consegue dar o peito. Eu me perguntava: ‘O que eu estou fazendo de errado?’ Mas muitas outras mulheres passam por isso. Quantas vezes amamentei chorando de dor. A amamentação não é tão linda como parece no começo, mas melhora muito e hoje dou com alegria”, disse ela.

Amamentação e dor

No começo da amamentação, é normal sentir dor na hora da descida do leite. Afinal, você nunca havia feito isso. Uma das maiores dificuldades é encontrar a pega correta. Muitas mães sentem dor até conseguirem encontrar a posição. A pega correta tem que ser sempre na aréola, não pode ser no bico. A parte de cima da aréola tem que ficar mais visível do que a de baixo, os lábios do bebê devem estar em formato de peixinho e, quando ele suga, o seio da mãe vai para dentro da boca dele.

Cinthia Calsinski, mãe de Matheus, Bianca e Carolina, enfermeira obstetra e colunista da Pais&Filhos explica: “Existem diversas posições para o bebê se acomodar ao seio. Mas é importante observar a boca do bebê, se está com abre de peixinho. E se o queixo do bebê toca a mama e o nariz fique livre. Assim, ajuda a massagear a mama também, ajudando no esvaziamento”.

Daiana Garbin doa leite materno

Recentemente, Daiana Garbin, bateu um papo sobre amamentação  pelas redes sociais. Mãe de primeira viagem de Lua, filha do casal que nasceu em outubro do ano passado, a jornalista é casada há oito anos com Tiago Leifert.

Daiana Garbin é esposa de Tiago Leifert há 8 anos e mãe de Lua (Foto: Reprodução / Instagram / @garbindaiana)

Através dos stories, Daiana contou que doará leite para um banco do Rio de Janeiro. “E aqui os ‘peitão’ cheio de leite. Eu tenho muito leite. Aliás, uma coisa muito interessante é que estou doando leite para um banco de leite aqui do Rio de Janeiro. E é uma coisa muito legal. Vocês, mamães que estão amamentando e têm leite sobrando, pensem em doar. Vocês podem ajudar muitas mães que não têm, muitas crianças que estão precisando, especialmente prematuros em hospitais“, alertou.

A esposa de Tiago Leifert ainda explicou como funciona o processo, dizendo que alguns profissionais da Fiocruz passam na casa das mães recolhendo o leite.  “Mandam os potes esterilizados e vêm uma vez por semana coletar”, contou. “Acho que é um ato muito legal. É lindo a gente poder amamentar, alimentar os nossos filhos com o nosso corpo. É tão bonito. Eu estou muito feliz em conseguir amamentar minha filha e mais feliz ainda em saber que, de alguma forma, está sobrando leite, então, dá pra ajudar outras crianças”.