Dia Mundial do Câncer: a importância da conscientização e da mudança de hábitos na família

Além dos exames de rotina, a Union For International Cancer Control’s (UICC) e o Instituto Nacional do Câncer (INCA) recomendam um estilo de vida mais saudável para reduzir o impacto da doença. Saiba como você pode fazer parte desta rede de apoio e incentivar a família

Resumo da Notícia

  • Veja os 5 tipos mais comuns de câncer
  • No triênio 2020-2022 serão registrados 625 mil novos casos apenas no Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer
  • O diagnóstico precoce pode aumentar as chances de cura da doença

Você sabia que nesta quinta-feira, 4 de fevereiro, é o Dia Mundial do Câncer? Como forma de conscientizar sobre a doença, a data vem com o intuito de orientar e incentivar a importância dos exames de rotina para as famílias. Segundo o Instituto Nacional do Câncer, a estimativa é que no triênio 2020-2022 serão registrados 625 mil novos casos apenas no Brasil

-Publicidade-
Veja quais são os 5 tipos de câncer mais comuns (Foto: Getty Images)

Ainda de acordo com o Instituto, os pais comuns são: os de mama, próstata, cólon e reto, pulmão e estômago. O risco pode ser ampliado devido o estilo de vida como, por exemplo, o sedentarismo, má alimentação e também o tabagismo, além de causas hereditárias, devido a herança genética familiar.

O que é câncer?

Segundo o Ministério da Saúde, é o nome dado para o conjunto com mais de 100 doenças que possuem o crescimento desordenado de células, invadindo tecidos e órgãos. Como dividem-se rapidamente, elas podem ser bastante agressivas e incontroláveis, originando a formação de tumores, que podem se espalhar para outras partes do corpo.

-Publicidade-

Como prevenir

A Union For International Cancer Control’s (UICC) e o Instituto Nacional do Câncer (INCA), recomendam:

  • não fumar;
  • adotar uma alimentação saudável;
  • manter o peso corporal adequado;
  • praticar atividades físicas;
  • amamentar;
  • realizar exame preventivo de câncer do colo do útero a cada três anos, para mulheres com idade entre 25 e 64 anos;
  • vacinar as meninas de 9 a 14 anos e os meninos de 11 a 14 anos contra o HPV;
  • vacinar-se contra a hepatite B;
  • evitar bebidas alcoólicas;
  • evitar carnes processadas;
  • evitar a exposição ao sol entre 10h e 16h;
  • evitar a exposição a agentes cancerígenos no ambiente de trabalho.

Câncer de mama

O problema é causado pela multiplicação desordenada de células na mama, formando o tumor. Para prevenir a doença, é superimportante realizar o autoexame em casa, além de fazer todos os exames de rotina. Priscila Beatriz Oliveira dos Santos, mastologista e membro da Sociedade Brasileira de Mastologia, orienta que realizar exames de rotina é uma forma de identificar o problema cedo: “É sempre bom ressaltar que a mamografia é essencial para o diagnóstico precoce. Por isso, não deixe de realizá-la, já que este exame pode diminuir a mortalidade em até 30%, quando feito periodicamente”, explica.

Segundo uma pesquisa recente realizada pelo Ibope Inteligência, a pedido da Pfizer, felizmente, cerca de 72% das mulheres entrevistadas vão ao ginecologista ou mastologista pelo menos uma vez ao ano. Entretanto, uma a cada quatro disseram que não falam com o médico sobre prevenção e não recebem orientações sobre a importância de um checkup anual ou de como realizar o autoexame.

Autoexame: como fazer?

De acordo com as orientações do Instituto Brasileiro de Controle de Câncer (IBCC), o autoexame deve ser realizado uma vez a cada mês, na semana seguinte ao término da menstruação. Existem duas formas de fazer o autoexame, são elas:

No chuveiro ou deitada:

  • Coloque a mão direita atrás da cabeça.
  • Deslize os dedos indicador, médio e anelar da mão esquerda suavemente em movimentos circulares por toda a mama direita.
  • Repita o movimento utilizando a mão direta para examinar a mama esquerda.

Diante do espelho:

  • Levante os braços, colocando as mãos na cabeça. Observe se ocorre alguma mudança no contorno das mamas ou no bico
  • Repita a observação, colocando as mãos na cintura e apertando-a. Observe se há qualquer alteração
  • Finalmente, esprema o mamilo delicadamente e observe se sai qualquer secreção. A observação de alterações cutâneas ou no bico do seio, de nódulos ou espessamentos e de secreções mamárias não significa necessariamente a existência de câncer.

Câncer de próstata

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum, ficando atrás apenas do de pele não-melanoma). Cerca de 75% dos casos costumam acontecer a partir dos 65 anos, mas é preciso ficar de olho, além de realizar os exames de rotina!

Se apresentar sintomas como: dificuldade de urinar, diminuição do jato de urina, necessidade de urinar mais vezes ao dia ou a noite ou ainda sangue na urina, é essencial procurar um médico imediatamente para que a detecção precoce possa ser feita.

O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura do câncer (Foto: Shutterstock)

Câncer de cólon e reto (colorretal)

Podendo aparecer no reto ou no intestino grosso, este é o terceiro tipo de câncer mais comum em homens e o segundo entre mulheres, segundo o Inca. No triênio 2020-2022, é estimado que quase 41 mil novos casos sejam diagnosticados no Brasil.

Mais comum após os 50 anos, os riscos aumentam de acordo com a idade. Se notar sintomas como sangramento nas fezes, massa (tumoração) abdominal, dor abdominal, perda de peso e anemia e mudança de hábito intestinal, um médico deve ser procurado imediatamente.

Mesmo com exames diagnósticos precoce, a Organização Mundial da Saúde recomenda que para confirmação, o exame de sangue oculto de fezes seja realizado. Em casos positivos, pode ser necessário a realização de uma colonoscopia ou retossigmoidoscopia para que o especialista possa visualizar a parte interna do intestino.

Câncer de pulmão

Desde 1985, o câncer de pulmão é o primeiro no mundo quanto a taxa de incidência e mortalidade. Segundo o INCA, cerca de 13% de todos os casos novos de câncer são de pulmão. Em 2015, a doença foi responsável por 26.498 mortes no Brasil, tornando a causa ainda mais visível e ressaltando a importância do autocuidado e exames de rotina.

Tanto o tabagismo como a exposição passiva ao tabaco são fatores de risco a serem considerados para o desenvolvimento do câncer de pulmão. Cerca de 85% dos casos diagnosticados são associados ou uso do tabaco.

Se notar sintomas como: tosse e rouquidão persistentes, sangramento pelas vias respiratórias, dor no peito, dificuldade de respirar e fraqueza e perda de peso sem causa aparente, é superimportante que a causa do problema seja investigada para o diagnóstico correto. Em grande parte dos casos, segundo o Instituto, os sintomas podem não estar relacionados ao câncer em si, mas é essencial a investigação, principalmente se não melhorarem em poucos dias.

Câncer de estômago

Também conhecido como câncer gástrico, é o quinto tumor mais comum no mundo. Apenas no Brasil, a doença é o terceiro tipo mais frequente em homens e o quinto em mulheres. Apesar da possibilidade do surgimento do problema estar ligado a diversas causas, pode também ser associado a uma dieta ruim, principalmente rica em alimentos industrializados com sódio e pobre em vegetais.

Geralmente, o câncer de estômago costuma ser uma doença pequena e silenciosa, podendo ser confundido com outras doenças. Já nos casos mais avançados, dependendo da localização do tumor, podem ser notados: náusea, vômitos, sensação de plenitude, perda de apetite e de peso e também anemia.

Diferente do câncer de mama ou de próstata, por exemplo, este tipo de câncer não tem um exame específico para detecção precoce. Caso os sintomas citados permaneçam por mais de duas semanas, a procura por um especialista é fundamental para que a investigação correta possa ser feita. Vale lembrar que o diagnóstico precoce aumenta (e muito!) as possibilidades de cura.

-Publicidade-