Diálogo é tudo: como incentivar seu filho a falar sobre o dia dele

Ter espaço aberto para o bate-papo e troca de experiências com o seu filho é crucial para o desenvolvimento dele. Separamos algumas táticas para melhorar a comunicação entre pais e filhos e promover uma maior aproximação familiar

Resumo da Notícia

  • Manter o diálogo e troca de experiências com o seu filho é crucial para o desenvolvimento dele
  • Algumas dicas podem ajudar a melhorar a comunicação entre pais e filhos
  • Ajudá-lo a organizar os pensamentos e não pressioná-lo podem ser bons caminhos

Às vezes, ao perguntar ao seu filho sobre o dia dele, você pode receber um “bom”, “ótimo”, “não me lembro” ou até mesmo uma jogada de ombros como respostas, encerrando a possível conversa entre vocês. Porém, saber o motivo do seu filho estar calado e ter algumas táticas para ajudá-lo a organizar seus pensamentos, pode ser um bom caminho para melhorar a comunicação familiar.

-Publicidade-
Algumas táticas para melhorar a comunicação familiar no dia-a-dia (Foto: Thinkstock)

Muitas coisas para contar

Um milhão de coisas, grandes e pequenas, aconteceram desde que seu filho chegou da escola. Então, quando você pergunta “o que aconteceu hoje?”, ele pode se sentir confuso sobre o que te contar. Ele deveria te contar sobre o treinamento de incêndio? O cheiro estranho no refeitório? Como ele tirou 10 na prova de gramática? “Ele não sabe que tipo de informação você quer, então ele realmente fica em branco”, diz Adam Cox, Ph.D., autor de ‘Boys of Few Words: Raising Our Sons to Communicate and Connect’, em português, ‘O menino de poucas palavras: criando nossos filhos para se comunicar e conectar‘.

Dicas: Faça perguntas específicas como: “Com quem você brincou no recreio?”; ou “com quem você sentou na hora do lanche?”, para ensinar seu filho a voltar no tempo e a contar histórias de suas experiências, explica Dawn Huebner, Ph.D., psicóloga e autora da série ‘What-to-Do Guides for Kids’, ou em português, ‘Guia do que fazer com as crianças’. Você também estará dando a ele uma ideia melhor do tipo de coisas que está interessado em saber. Se você quiser respostas animadas, faça perguntas divertidas, como: qual a coisa mais legal ou divertida do dia dele. Isso irá envolvê-lo e será uma outra maneira de ajudá-lo a compartilhar os eventos do dia.

-Publicidade-

Da escola à casa

Seu filho está misturando dois mundos que fazem parte da vida dele. “Durante boa parte do dia ele é responsável por si mesmo e passa por situações complexas sem a sua ajuda”, diz Gretchen Barber-Lindstrom, uma assistente social que mora em Phoenix. Então, de repente, ele está de volta em casa, onde pode baixar a guarda e ser uma criança novamente. “Pode ser difícil mudar de marcha”, diz a assistente social. Ele pode não conseguir separar as emoções do dia, por exemplo.

O seu filho precisa de um tempo de descanso após a escola (Foto: reprodução/ Instagram)

Dicas: Deixe que ele tenha algum tempo para relaxar depois da escola. Dê a ele um lanche e algum tempo de descanso antes de perguntar sobre o dia dele. “Siga os sinais que seu filho te dá”, diz o Dr. Huebner. “Se suas perguntas específicas desencadearem uma enxurrada de detalhes, continue perguntando. Se receber respostas de uma palavra, entenda que talvez ele precise de mais tempo para relaxar.” Comece a conversa falando sobre o seu dia, pois compartilhar suas experiências ensinará seu filho a se comunicar pelo exemplo”, acrescenta.

Onde conversar?

A mesa de jantar é muito considerada como um lugar ideal para os pais conversarem com os filhos sobre o dia, mas sentar-se cara a cara pode fazer algumas crianças se calarem. “As crianças tendem a se abrir um pouco mais quando não há um contato visual direto”, diz Megan A. Mooney, Ph.D., uma psicóloga licenciada e presidente eleita da Texas Psychological Association em Cedar Park, no Texas. Sentar no banco de trás de um carro pode aliviar a pressão.

Outra vantagem? “Há menos distrações no carro porque os pais estão apenas focados na estrada e nas crianças”, diz Sean Nixon, um terapeuta de saúde mental pediátrico e membro do conselho da Associação para Aconselhamento para Crianças e Adolescentes. Isso significa que os pais motoristas tendem a ouvir mais, criando espaço para “uma conversa familiar amigável”.

Dicas: Fazer com que as crianças revelem detalhes após um longo dia de escola nem sempre é uma tarefa fácil, não importa onde estejam, mas Nixon também recomenda que os pais sejam criativos quando se trata de suas perguntas. Ele tem quatro opções de início de conversa: “Conte-me sobre algo que o fez rir hoje”; “Conte-me sobre algo que o deixou triste hoje”; “Conte-me sobre algo que o deixou frustrado hoje” e “Conte-me sobre algo que você aprendeu hoje”. E se a conversa ainda não estiver fluindo, ligue a música, aconselha Dr. Mooney. “Converse sobre o artista ou música favorita do seu filho e tente abrir as linhas de comunicação dessa forma”, acrescenta.

O carro pode ser um ótimo lugar para uma conversa entre pais e filhos (Foto: Getty Images)

Pressão para ter um bom desempenho

“Assim que seu filho entra na primeira série, ele percebe que você está prestando atenção em como ele está aprendendo e se dando bem com os outros. Ele sabe que está sendo observado e se sente pressionado a ter um bom desempenho”, diz Gene Beresin, MD, professor de psiquiatria da Harvard Medical School. Esse sentimento de ser julgado pode impedir a criança de querer compartilhar detalhes sobre seu dia.

Dicas: tente jogar algo ou ler juntos, e veja quais tópicos surgem naturalmente. “Às vezes, tentamos obter informações muito rápido”, diz o Dr. Cox. Fazer uma atividade juntos pode ajudá-lo a se sentir menos pressionado. Dizer a você que ele não sabia uma resposta quando foi chamado na aula é muito mais fácil quando ele se sente perto de você. Retenha o julgamento. Se seu filho achar que não é seguro compartilhar os pontos fracos do dia, ele se desligará.

Memória curta

Nessa idade, seu filho está aumentando ativamente sua “memória de trabalho” – o processo usado para armazenar e manipular informações temporariamente. Ele tem capacidade limitada de se lembrar dos eventos que já aconteceram naquele dia. A memória operacional cresce com o tempo, mais rápido para alguns do que para outros.

Dicas: converse com outros pais e mantenha contato com o professor do seu filho para que você possa fazer perguntas como: “Quem foi o leitor de hoje?”. Fazer perguntas – mesmo se você já souber a resposta – ajudará a ensinar a arte da recapitulação. Além disso, seu filho pode não ter uma linguagem emocional bem sintonizada, portanto, pode ser difícil se abrir sobre as coisas que ele sentiu durante o dia. “As crianças geralmente respondem aos seus sentimentos através da ação, porque nem sempre podem identificar o sentimento”, diz Michelle Maidenberg, Ph.D., diretora clínica do Westchester Group Works, um centro de terapia de grupo nos Estados Unidos. Você pode ajudá-lo a construir seu vocabulário emocional usando palavras como felicidade, raiva, cansaço, preocupação ou frustração quando estiver falando sobre o comportamento dele, para que ele comece a ver que há uma conexão.

Por que você deve parar de resolver os problemas do seu filho?

Quando seu filho está enfrentando um desafio, é claro que você deseja mergulhar e salvar o dia dele, mas lembre-se de que na escola ele está descobrindo as coisas sozinho o dia todo. Se você der soluções ao seu filho, você o tornará menos engenhoso. Ele pode pensar: “Se eu não penso como minha mãe ou meu pai, minhas ideias devem estar erradas”.

Ajudar as crianças a resolver problemas sozinhas, por outro lado, é fortalecedor. “Quando você facilita em vez de assumir a tarefa, está aumentando subconscientemente a confiança de seu filho”, diz o Dr. Maidenberg. Faça perguntas como: “Quais você acha que são suas opções?”; ou “o que você se sente mais confortável fazendo?”. Se seu filho acredita que descobriu as coisas sozinho, isso aumentará sua autoconfiança. Quando ele sai de uma conversa com sentimentos positivos, provavelmente voltará para falar com você continuamente.

Você é muito invasivo?

Mesmo uma criança de 6 anos precisa de algum espaço. Siga estas dicas para ficar na linha tênue entre ser a mãe ou pai envolvido e invasivo:

  • Permita que seu filho diga que simplesmente não tem vontade de falar, mas não o deixe escapar ignorando você. Tente discutir por que ele se sente incomodado com um determinado assunto.
  • Não bombardeie seu filho com perguntas se perceber que ele está ficando ansioso ou parece angustiado. “As crianças não devem ser incomodadas. Se sentirem que você está bisbilhotando, é preciso recuar”, diz o Dr. Beresin.
  • Pergunte ao seu filho se ele gostaria de falar sobre algo no final do dia, mas não discuta se ele disser não. Respeite a decisão de guardar algumas coisas para si.
  • Não traga informações que você ouve de fontes de segunda mão, a menos que diga respeito ao bem-estar do seu filho. “Quando se trata de saúde, segurança ou respeito pelos outros, simplesmente não há concessões. Você tem que falar sobre isso mesmo se seu filho não quiser”, reforça o Dr. Maidenberg.