Difteria: vacina que combate doença está em falta nos postos de saúde da Baixada Santista

Isso é muito preocupante para a saúde do seu filho

Postos de Saúde estão sem vacina e isso é muito preocupante! (Foto: Getty Images)

No litoral de São Paulo vários postos de saúde estão sem doses de vacinas e a situação está muito preocupante. De acordo com o G1, em Santos está faltando a vacina pentavalente, o medicamento é 5 em 1 e é resp o é responsável por imunizar bebês contra cinco tipos diferentes de doença: difteria, tétano, coqueluche, a bactéria haemophilus influenza tipo B e hepatite B.

-Publicidade-

Apesar do Ministério da Saúde nega o desabastecimento, a Tv Tribuna fez um levantamento apartir das reclamações de vários pais e percebeu que o problema está presente em cinco cidades diferentes da baixada, entre elas, Santos, São Vicente, Guarujá, Mongaguá e Peruíbe. Em nota,  a Prefeitura de Santos disse que a demanda não está indo de encontro com a quantidade recebida. “De acordo com nota informativa do Ministério da Saúde (nº 107/2019), de maio deste ano, o envio desta vacina para os estados e, consequentemente às cidades brasileiras, estava pendente devido a processo de liberação das doses pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”, informaram em nota.

A prefeitura de São Vicente também confirmou que os postos estão em falta. Já no Guarujá, está em falta além da pentavalente, a DTP (difteria, tétano e coqueluche), a tetravitral, que previne a criança contra sarampo, caxumba, rubéola e catapora. Em nota, explicaram que já foram solicitadas novas doses, mas que não foram atendidos.

-Publicidade-

O que eles dizem

A secretaria de Saúde do Estado de São Paulo disse que a culpa da falta de vacinas é do Ministério da Saúde, já que eles são responsaeis pela aquisição e distribuição das pentavalente. O Estado de São Paulo precisa apenas redistribui para os municípios, assim que os lotes vão chegando.  “Nos últimos dois meses o envio das doses pelo órgão federal para São Paulo tem sido irregular e em quantidades insuficientes, impactando na redistribuição. Até que haja regularização pelo Ministério, o Estado está buscando o remanejamento entre regiões”, explicaram ao G1.

Ainda assim, o Ministério da Saúde não confirma a falta de vacinas e disseram que a distribuição é feita em todo o país de acordo com a necessidade e que já foram enviadas três milhões de doses aos estados.

    -Publicidade-