Duas professoras são demitidas por justa causa após agressão em creche de SP

Uma das professoras chacoalhava a criança enquanto a outra ficava somente observando sem fazer nada em relação a situação

Resumo da Notícia

  • Professoras demitidas por agredir aluno
  • Uma delas tampava a boca da criança para abafar o choro
  • As imagens foram gravadas pelas câmeras de segurança
  • A Secretaria da Educação diz em nota que repudia qualquer ato de violência

Duas professoras foram demitidas de creche no Jardim Urano em São José do Rio Preto (SP) depois que duas câmeras de segurança flagraram as mulheres agredindo uma criança. Além da agressão, as câmeras registraram elas dormindo e mexendo no celular.

-Publicidade-

Ambas foram demitidas por justa causa pois além da agressão, os dois últimos fatos aconteceram durante o expediente. Uma das imagens mostra a professora chacoalhando uma criança e tampando a boca dela para abafar o choro.

A direção da creche recebeu denúncias e puxou as imagens pelas câmeras. Nesta última segunda-feira as duas foram demitidas. O momento aconteceu na Creche Irmã Julieta, administrada pelo Centro Social de Estoril. O local tem convênio com a prefeitura da cidade.

Câmeras de segurança flagraram a mulher tampando a boca da criança para abafar o som do choro
Câmeras de segurança flagraram a mulher tampando a boca da criança para abafar o som do choro (Foto: iStock)

A prefeitura de Rio Preto declarou em nota que a Secretaria da Educação repudia qualquer forma de violência. “Informamos ainda que a Educação mantém parceria com a OSC Centro Social do Estoril, responsável pela creche Irmã Julieta. A unidade é supervisionada pela Secretaria de Educação e a diretoria da unidade foi orientada com relação ao Estatuto da Criança e do Adolescente sobre os casos de violência. Todas as providências legais foram tomadas pela OSC” o prefeito afirmou.

Fora a prefeitura e a Secretaria da Educação, o Ministério Público vem acompanhando o caso para recorde ao juiz da Infância e Jventude e a criança que sofreu a agressão continua na instituição.