Enfermeira conta que casal não sabia como fazer filhos: “Achavam que estarem casados bastava”

Rachel contou como ela teve a ensinar o marido e a esposa sobre a logística de como engravidar após perceber que eles não tinham ideia sobre a própria biologia

Resumo da Notícia

  • Rachael Hearson, de 59, trabalha como parteira e enfermeira há mais de 40 anos
  • Em novo livro a mulher está compartilhando alguns dos encontros mais bizarros que vivenciou enquanto visitava casas de famílias
  • Rachel contou como ela foi obrigada a ensinar o marido e a esposa sobre a logística do sexo após perceber que eles não tinham ideia sobre a própria biologia

Rachael Hearson, de 59, trabalha como parteira e enfermeira há mais de 40 anos. Com novo livro chamado ‘Handle With Care: Confessions of an NHS Health Visitor’, a mulher está compartilhando alguns dos encontros mais bizarros que vivenciou enquanto visitava casas de famílias .

-Publicidade-

Rachel contou como ela foi obrigada a ensinar o marido e a esposa sobre a logística do sexo após perceber que eles não tinham ideia sobre a própria biologia. Em conversa com o The Mirror, ela explicou: “Eles estavam casados ​​há alguns anos, mas os filhos ‘não tinham aparecido’.

A enfermeira teve que ensinar ao casal como os bebês são feitos (Foto: Reprodução/ The Sun)

“O clínico geral deduziu que eles não sabiam como fazer bebês e era meu trabalho garantir que eles soubessem!”, disse Rachel. “Eles genuinamente pensavam que os bebês chegavam simplesmente por eles ‘serem casados​​’ e não tinham ideia. Ensinar alguém sobre sexo é uma grande responsabilidade. Mas depois de algumas visitas, o par não conseguia manter as mãos longe um do outro”, concluiu ela.

-Publicidade-

De onde vêm os bebês?

Essa pergunta sempre surge nos lares – se não apareceu por aí ainda, prepare-se, porque logo ela chegará! Saiba como explicar aos seus filhos da onde vêm os bebês.

(Foto: iStock)

Estabelecer as bases

Se você ainda não disse a seu filho de onde vêm os bebês, chegou a hora: “o homem dá à mulher o espermatozóide dele, colocando seu pênis dentro de sua vagina. Isso é chamado de ‘sexo’ ou ‘relação sexual’”. “Quase todas as crianças de 7 anos pensam que sexo é nojento”, explica Braun Betsy Brown, autora de Just Tell Me What to Say: Sensible Tips and Scripts for Perplexed Parents (Apenas me diga o que dizer: dicas sensíveis e roteiros para pais perplexos).

Vá direto ao assunto

Satisfaça a curiosidade do seu filho sem ser muito explícito.”Muitos pais dão às crianças informações que elas não querem ou não podem processar nessa idade,” diz a Dra. Bartelli. Você não precisa falar de excitação, orgasmo, ou de preservativo – coisas que podem vir em torno de 10 ou 11 anos. Mas dependendo da maturidade de seu filho e as questões que ele está levantando, você pode querer falar sobre ereções, DSTs, e o fato de que o sexo não é apenas para fazer bebês.

Dito isto, antes de responder à pergunta do seu filho, reformule-a para esclarecer o que ele está, realmente, pedindo. Então responda honestamente e pare. Seu filho pode te metralhar com mais perguntas ou você pode não ouvir uma palavra sobre isso por meses.

Atente para a diferença

Crianças desta idade, geralmente, fazem mau uso das palavras “sexy” e “sexo”, e nós simplesmente alimentamos essa confusão, supondo que a criança que dança provocativamente, ao redor da sala sabe que ela está fazendo algo sexual. O mesmo vale para comentários inadequados sobre a aparência física. Eric disse um dia: “Mamãe, você viu aquela senhora? Ela tem seios realmente grandes”. Respondi: “Eu sei que você estava fazendo apenas uma observação, mas você não deve dizer nada sobre os seios de uma mulher”, respondi.

Mantenha a conversa

A “conversa” é mais eficaz quando não é uma simples conversa, mas, sim, uma série de discussões contínuas que abrangem diversos assuntos. Por ora, apenas esteja consciente do crescente interesse do seu filho, e não se preocupe se a sua primeira conversa não foi um sucesso. Como qualquer outra coisa, falar sobre o tema requer prática.