Enfermeira que não poderia ter filhos adota prematura que nunca tinha recebido visitas no hospital

A menina estava em abstinência neonatal e precisava de cuidados intensos

Liz recebeu a gurda definitiva de Liz em outubro de 2018 (Foto: Reprodução/Facebook Liz Smith)

Liz Smith, era apenas uma enfermeira em um hospital nos Estados Unidos, até que se viu mãe de uma recém-nascida prematura e em abstinência neonatal. A menina nasceu com um pouco mais que um quilo e meio e ficou por muito tempo na UTI sem receber nenhuma visita, quando recebeu alta,  não havia ninguém para buscá-la. Liz, que já a via todos os dias entrou com o pedido da guarda.

-Publicidade-

Gisele, hoje com dois anos, ficou por meses e meses internada, a mãe (biológica) é dependente química e usou drogas durante a gestação, o que fez com que a menina já nascesse viciada e em estado de abstinência. Ela precisava de muitos cuidados e cuidados intensos.

A diretora de enfermagem contou à CNN que no começo, ela tinha a intenção de ficar com a menina só enquanto ela ainda estava se alimentando por sonda e até ela ficar bem e voltar para a família biológica, mas isso nunca aconteceu.

-Publicidade-

Liz diz ter vivido uma montanha russa emocional, ela estava muito feliz pela recuperação da menina e por ter se tornado mãe, mas também estava muito triste pela outra mãe de Gisele, que estava perdendo a oportunidade de conviver com a menina.

“Tentar superar um vício e tornar-se mãe ao mesmo tempo é impossível.”, contou a Liz, que é infértil e passou por vários tratamentos que não funcionaram. E desde de outubro de 2018 Liz e Gisele são mãe e filhas oficialmente em todas as instâncias da lei americana.

Leia também: 

Relato de adoção: “Ele sempre foi nosso filho, só demoramos para nos encontrar” 

Casal decide aceitar criança mais velha e processo de adoção dura muito menos que o esperado 

Casal decide aceitar criança mais velha e processo de adoção dura muito menos que o esperado 

 

-Publicidade-