Escola que foi acusada de não dar aula online e cobrar mensalidade alta esclarece a situação

A polêmica veio à tona depois de uma reportagem publicada no último domingo (12). Em nota exclusiva, a Avenues São Paulo afirma que tanto o cronograma, quanto o plano de ensino foram adaptados para um formato de aulas à distância

Resumo da Notícia

  • No último domingo (14), uma reportagem sugeriu que os alunos de uma das escolas mais caras de São Paulo não tinham aulas on-line durante a quarentena
  • Pais alegam que, mesmo cobrando cerca de R$12 mil por mês, a escola não oferece ensino à distância compatível ao valor das mensalidades
  • Em nota, a Avenues rebateu as críticas dizendo que as informações publicadas pelo portal são inverídicas e que as aulas foram adaptadas às dificuldades impostas pelo cenário atual
Coronavírus: veja a previsão de volta ás aulas nas capitais do país (Foto: Getty Images)

Uma das escolas mais caras de São Paulo se viu em meio a uma polêmica nesta semana. No último domingo (14), vieram à tona depoimentos de pais acusando o colégio Avenues São Paulo de não oferecer aulas on-line durante a quarentena.

Pais de alunos disseram que, mesmo pagando mensalidades de mais de R$10 mil, os filhos não tiveram nenhum dia de aula remota desde o começo do isolamento social. “Foi a única escola desse nível que não ofereceu ensino à distância. Mandavam fazer pesquisas sobre temas genéricos, mas não havia acompanhamento em caso de dificuldade nem controle das atividades”, disse uma das mães, que não quis se identificar.

A reclamação é de que as alternativas oferecidas pela Avenues não são compatíveis à estrutura e ao valor cobrado por mês. Um pai, que tinha uma filha de 14 anos matriculada na escola, decidiu procurar uma nova instituição de ensino para a adolescente. “Simplesmente não há aula. Mandam os alunos pesquisarem, por exemplo, sobre a covid-19, o que eu até acho bom, mas isso dura no máximo uns 30 minutos; o resto do dia é livre. A direção diz que tem um ‘projeto arrojado’, que ali ninguém vai ter aulas nos moldes convencionais, mas 2 + 2 continuam sendo 4”, conta.

No começo de abril, um grupo de famílias insatisfeitas se reuniu e fez um abaixo-assinado pedindo para a escola rever os preços das mensalidades, levando em consideração as novas circunstâncias impostas pela quarentena. A instituição enviou um comunicado aos pais dizendo que “não planeja oferecer descontos ou reembolsos para esse ano letivo”. Na carta, a escola ainda fala que manteve o pagamento integral dos salários a todos os funcionários, fez investimentos em novas ferramentas e recursos tecnológicos e doou mantimentos para uma comunidade que fica nas redondezas.

A Avenues São Paulo está localizada em um prédio de 40 mil metros quadrados, na Zona Sul (Foto: Reprodução/Facebook)

Uma das mais caras da cidade

A Avenues São Paulo é um colégio internacional de 40 mil metros quadrados, localizado na Zona Sul da capital paulista. Foi a primeira unidade da escola nova-iorquina Avenues a desembarcar no Brasil. Na época da inauguração, em 2018, ganhou a fama de “escola mais cara da cidade”, por cobrar mensalidades de mais de R$10 mil. Mesmo com os preços mais altos que média, vários alunos ficaram numa fila de espera antes de conseguirem se matricular.

Um dos motivos para esse sucesso foi modelo de ensino que segue os padrões das escolas americanas. A grande maioria das aulas é ministrada em inglês e o ano letivo começa em agosto e termina em junho. O grande diferencial são os programas internacionais, em que alunos podem interagir e trocar experiências com colegas de outros países.

A escola foi uma das primeiras da cidade a suspender as aulas presenciais devido à pandemia do novo coronavírus. No dia 9 de março, a Avenues anunciou que fecharia as portas para evitar uma possível transmissão da doença entre os estudantes. A decisão foi tomada depois que um aluno do 7º ano voltou de uma viagem aos Estados Unidos e testou positivo para covid-19. A paralisação aconteceu duas semanas antes de o governo estadual de São Paulo decretar a suspensão das atividades de todas as escolas da rede pública e privada.

Nas redes sociais, a Avenues São Paulo compartilha fotos dos alunos participando das aulas remotas (Foto: Reprodução/Facebook)

O outro lado

Para esclarecer a situação aos leitores e às famílias, a Pais&Filhos entrou em contato com a Avenues São Paulo, que lamentou amentou a polêmica e afirmou que a matéria publicada contém “informações inverídicas”. Segundo a instituição, tanto o cronograma quanto o plano de ensino foram, sim, adaptados para um formato de aulas à distância.

“Temos o compromisso de oferecer uma experiência de ensino exemplar em qualquer circunstância. (…) Todos os nossos estudantes tiveram cronogramas de ensino a distância especialmente criados para cada série, que incluíam aulas ao vivo com professores e colegas e também momentos para atividades independentes, como leitura e pesquisa”, diz.

Confira a nota na íntegra:

“Lamentamos o fato de a matéria publicada recentemente incluir afirmações inverídicas. Agradecemos a oportunidade de responder e estamos à disposição para compartilhar as comunicações enviadas às famílias nos últimos meses.

As duas prioridades da Avenues desde que o mundo mudou por conta da COVID-19 têm sido a continuidade da aprendizagem dos nossos estudantes e a saúde e o bem-estar de nossa comunidade. Temos o compromisso de oferecer uma experiência de ensino exemplar em qualquer circunstância.

Nosso plano de ensino e os procedimentos de transição para o ensino online, assim como qualquer mudança no calendário escolar, foram submetidos para a apreciação das autoridades educacionais competentes. Todos os nossos estudantes tiveram cronogramas de ensino a distância especialmente criados para cada série, que incluíam aulas ao vivo com professores e colegas e também momentos para atividades independentes, como leitura e pesquisa. Mesmo antes da pandemia, nossos professores já utilizavam ferramentas online que permitem aos pais acompanhar o trabalho dos filhos, e essas ferramentas se provaram ainda mais úteis durante a quarentena. Mais de 100 escolas ao redor do mundo entraram em contato com a Avenues durante esse período porque acreditam na qualidade do nosso programa de ensino a distância.

Nos últimos meses, nossas equipes têm trabalhado incansavelmente para acompanhar de perto o desenvolvimento dos alunos e solicitar feedback das famílias, que em sua maioria tem sido positivo. Nossa meta é aprimorar nosso programa de forma contínua e oferecer apoio individualizado sempre que preciso. Ao mesmo tempo, estamos elaborando e investindo em medidas de segurança para proteger a saúde de alunos, famílias e colaboradores na retomada, parcial ou integral, das atividades no câmpus.

Reconhecemos que esta é uma situação difícil para alguns de nossos alunos e famílias que precisaram se adaptar a um novo modo de aprendizagem e que possam ter sido afetados financeiramente pela pandemia. Desde o fechamento do câmpus, nossa equipe está disponível para acolher e auxiliar as famílias que precisam de suporte adicional, oferecendo opções de pagamento diferenciadas e apoio financeiro.

A Avenues não obteve vantagens financeiras com o fechamento do câmpus. Nossa maior despesa é com pessoas, e continuamos a remunerar integralmente todos os professores e colaboradores durante esse período. Embora estejamos utilizando menos água e energia no câmpus e os custos com alimentação tenham diminuído, essas economias são mínimas e são compensadas pelos custos adicionais incorridos para oferecer um programa de ensino a distância da mais alta qualidade.

Sermos bons cidadãos e compartilharmos nossa prosperidade faz parte da nossa missão. Dessa forma, a comunidade da Avenues São Paulo tem ajudado os mais necessitados durante este período difícil por meio de doações de alimentos e itens de higiene básica. Acreditamos que é o correto a ser feito.

Estamos gratos por termos recebido um feedback majoritariamente positivo e por observar a adaptabilidade e a resiliência dos nossos alunos. Como resultado de nossos esforços e colaboração com nossa comunidade, cerca de 95% das famílias planejam continuar na Avenues no próximo ano letivo. Quanto às famílias insatisfeitas, respeitamos a decisão delas de deixar a Avenues. Estamos oferecendo todo o apoio necessário para garantir transições tranquilas para outras escolas e desejamos muito sucesso em sua nova jornada.”