Estudo indica que mutação do coronavírus permite que vírus se espalhe mais rápido

Denominada D614G, a variação apareceu na Itália e já é predominante no mundo. A mudança aconteceu em uma proteína, mas as análises não permitem dizer se a doença se tornou mais “transmissível”

Resumo da Notícia

  • Uma mutação no coronavírus, chamada de D614G, aconteceu na Itália
  • Com o avanço da doença ao redor do mundo, a versão já é predominante
  • Estudos indicam que essa alteração permite que a doença se espalhe mais rápido ao facilitar a entrada no corpo humano

Uma nova mutação foi identificada no coronavírus por cientistas britânicos. Denominada D614G, a variação apareceu na Itália, ao que tudo indica e traz uma mudança na “ponta” do vírus. Com a propagação da doença ao redor do mundo, essa alteração é encontrada em 97% das amostras atuais.

-Publicidade-
Os especialistas explicam que a mutação aconteceu na proteína “spike” (Foto: Getty Images)

Os especialistas dizem que a mudança não leva a maior risco de morte ou internação, e lembram que os vírus tendem a sofrer mutações com certa frequência, mas com essa alteração afirmam que o vírus tem certa “vantagem seletiva e evolutiva” quando comparado ao anterior, isso porque nos estudos de laboratório o vírus apresentou melhor entrada nas células humanas.

Mesmo sem uma análise suficiente para garantir que essa nova versão é mais “transmissível”, os pesquisadores afirmam que a variação trouxe mudanças. Os professores Hyeryun Choe e Michael Farzan, da Universidade Scripps na Flórida explicaram à BBC, que a mutação na proteína “spike” parece ter facilitado que o vírus “se grude melhor e funcione com mais eficiência”.

-Publicidade-

Como a variante D614G da covid-19 é predominante no mundo atualmente, o estudo aponta que possui mais facilidade para se espalhar entre as pessoas. Mas não é motivo de pânico, de acordo com os especialistas, a maior parte das vacinas que estão sendo desenvolvidas nesse momento tem como base a região dessa proteína. Além disso, existem evidências de que essa nova versão é tão sensível à anticorpos quanto a anterior.

-Publicidade-