Criança

Evite o drama! 4 passos para deixar seu filho longe da fofoca

Quem imaginaria que começa tão cedo? Fofoca é um passatempo comum para crianças de 8 e 9 anos

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Rumores, segredos e comentários constrangedores começam a se espalhar rapidamente nas escolas, principalmente entre crianças de 8 e 9 anos. “As crianças usam essas fofocas para experimentar o quanto de poder e influência elas têm sobre outras”, explica Karin, professora da Universidade de Washington em Seattle, Estados Unidos. “Eles também fazem isso na tentativa de ser mais popular”. Quem nunca? Se estiver passando por isso com seu filho, essas dicas podem te ajudar.

1 Tem diferença entre uma conversa e fofoca

Com certeza seu filho está sempre conversando ou enviando mensagens de texto a seus amigos. Um estudo da Duke University pediu a 60 meninas do quarto ano que usassem livremente o celular, por cerca de 15 minutos. Durante esse tempo, elas falaram mais de 24 pessoas diferentes, em média. A maioria das mensagens foi uma conversa inofensiva (“Sentei do lado do Julio no almoço hoje”) ou até mesmo elogios, mas cerca de três ou quatro dos comentários foram negativos e potencialmente prejudiciais (“Ela acha que ela é tudo isso?”).

Deixe seu filho saber que esse tipo de fofoca ou provocações poderiam machucar outras pessoas, mesmo que seja feito sem que elas saibam. Você pode até encenar algumas situações e perguntar para a criança como ela se sentiria se dissessem isso dela.

2 Só na frente do colega

Seu filho pode pensar que, se o que ele diz é verdade, e não apenas sua opinião ou um rumor, então, não é uma fofoca. Conversar sobre um colega de classe que foi mal na prova, dizer quem foi enviado para a diretoria ou falar sobre quem ainda precisa da ajuda do professor, podem parecer comentários inofensivos. Mas, é claro, esse não é o caso.

Você pode ensinar seu filho que falar sobre um colega de classe que não está presente é errado, dependendo da questão. Examine quais questões podem ser sensíveis (como divórcio e outras situações familiares), constrangedoras (como uma nota ruim, uma queda ou ficar doente na escola), ou mal interpretadas (dizer que um aluno estava na diretoria pode fazer com que os outros pensem que ele está com problemas) para que ele aprenda a evitar falar sobre elas.

3 Sempre há consequência

Não adianta dizer para seu filho que a fofoca não fará com que ele seja mais popular, porque de acordo com o estudo do Dr. McDonald, as outras crianças acabam gostando mais de crianças que fofocam. Em vez disso, é bom ressaltar uma das maiores consequências negativas da fofoca. Diga ao seu filho: “Se você ficar falando muito das outras pessoas, as crianças também vão começar a fofocar sobre você”. Também deixe saber que existem outras maneiras para fazer amizades e que fazer coisas legais com seus amigos será muito mais divertido do que sentar para fofocar.

4 Não passe a fofoca a diante

Mesmo que algumas crianças raramente comecem as fofocas, elas podem achar que é difícil resistir a escutar e não contar ao amigo. Explique ao seu filho que é tão cruel transmitir os rumores, quanto começá-los. Ensine frases para que seu filho diga após ele ouvir uma fofoca, como “ele só diz coisas agradáveis sobre você” ou “isso não é da minha conta”.

Leia também:

Conheça 4 tipos de bullying e saiba como lidar em cada caso

Veja 9 coisas importantes que você precisa saber sobre bullying

O que fazer quando identificar que o seu filho pratica bullying?

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não