Ex-militar americano mata 4 pessoas da mesma família em invasão na Flórida

O atirador foi identificado como Bryan J. Riley, de 33 anos. As autoridades ainda não sabem qual foi a motivação do crime

Resumo da Notícia

  • Um ex-militar americano atirou e matou 4 pessoas de uma mesma família na Flórida
  • O atirador foi identificado como Bryan J. Riley, de 33 anos
  • As autoridades ainda não sabem a motivação do crime
  • Além das vítimas, uma menina de 11 anos foi encaminhada em estado grave para o hospital

Um ex-militar americano invadiu uma casa e matou 4 pessoas da mesma família na Flórida, EUA. O atirador identificado como Bryan J. Riley possui 33 anos e ainda não se sabe a motivação de seu crime. Além das vítimas, uma menina de 11 anos foi encaminhada para o hospital depois de levar 7 tiros.

-Publicidade-

De acordo com informações divulgadas pelo The New York Times, Bryan era ex-combatente do Afeganistão e do Iraque, mas atualmente trabalhava como segurança. A polícia ainda acredita que ele não tinha nenhuma ligação com as vítimas.

O atirador já havia atuado no Afeganistão e no Iraque (Foto: Reprodução/ NY Times)

Um homem de 40 anos, uma mulher de 33 e o bebê que estava no colo dela foram as pessoas que perderam a vida. Além deles, a avó da criança – que estava em outra residência – também foi atacada, aos 62 anos. O cachorro da família também foi encontrado sem vida no jardim das casas em  Lakeland, que fica no condado de Polk.

Em coletiva, o xerife responsável pelo caso Grady Judd ainda contou que o atirador estava com roupa de exército durante a operação do crime. Além disso, afirmou que ele sofria de estresse pós-traumático e que chegou a se esconder antes de ser levado para as autoridades. Bryan ainda estava sob efeito de metanfetamina.

As 4 vítimas eram da mesma família (Foto: Reprodução/ Getty Images)

Mas, a certa altura, ele disse aos nossos agentes: ‘Elas [as vítimas] imploraram por suas vidas, e eu matei, mesmo assim'”, descreveu o xerife. O atirador ainda tentou atacar os médicos e funcionários do hospital para o qual foi encaminhado, e teve de ser medicado.