Família

Família de criança e avó que morreram em tempestade no Rio faz desabafo: “Dói viver essa tragédia”

Julia tinha 6 anos

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

Desejamos muita paz para todas as famílias (Foto: Reprodução / Instagram)

Na segunda-feira (8), o temporal no Rio de Janeiro causou a morte de uma avó,  Lúcia, com a neta, Julinha. As duas estavam voltando de um passeio juntas de táxi, quando possívelmente foram atingidas. Na terça-feira (9), os corpos delas foram encontrados dentro do veículo junto com o motorista.

A família estava fazendo um apelo pelas redes sociais, enquanto Lucia e Julia estavam desaparecidas. Bruna, a tia da garota, publicou uma foto da avó junto com a neta pedindo para se alguém visse as duas, que avisassem a família pelas redes sociais. “Amigos, minha sobrinha e a avó estão desaparecidas desde a noite de ontem. A última notícia que tivemos foi por volta das 21h30 quando avisaram que estavam pegando um táxi para sair do Rio Sul e tentar chegar em casa em Copacabana em meio a chuva forte que caiu no Rio. Por favor, quem puder ajudar entre em contato comigo e compartilhem a foto”, escreveu.

Quando a morte foi confirmada, Bruna desabafou pelos stories: “Como dói viver uma tragédia como essa tão de perto. Perder dessa maneira estúpida pessoas tão especiais, iluminadas e que tanto amamos é um soco na boca do estômago. Nos faz ver o quanto a vida é frágil e o quanto precisamos dar valor ao que realmente importa: pessoas! Que o nosso amor pela Julinha e Lucinha possa de alguma forma acolher e confortar nossa família e amigos”

Os pais da garota, que estavam de férias nos Estados Unidos, voltaram as pressas para o enterro que acontece hoje às 13:30 na capela 6 do cemitério São João Batista.

Leia também:

Corpos de avó e neta desaparecidas em temporal do Rio de Janeiro são encontrados

Chuvas no Rio: avó e neta estão desaparecidas desde temporal e família pede ajuda nas redes sociais

Desconhecida resgata crianças ilhadas por chuva no RJ e mãe agradece: “Palavras não são suficientes”