Família encerra velório e leva criança de volta ao hospital após pastor dizer que ela estava viva

O caso aconteceu na cidade de Itaetê, na Bahia, na última quinta-feira, 25 de março, e está sendo investigado pela Polícia Civil

Resumo da Notícia

  • Família encerra velório e leva criança de volta ao hospital após pastor dizer que ela estava viva
  • O caso aconteceu na cidade de Itaetê, na Bahia, na última quinta-feira, 25 de março
  • Ao voltar ao hospital, os médicos confirmaram que a menina realmente estava sem sinais vitais
  • A Polícia Civil está investigando o que aconteceu

Uma família estava velando o corpo de uma garota de um ano e 10 meses na madrugada da última quinta-feira, 25 de março, na cidade de Itaetê, na Bahia, quando, durante o velório, um pastor evangélico disse à família que a criança estaria viva. Os familiares, então, procuraram uma unidade de saúde da família, informando que o pastor tinha tido uma revelação e que disse a eles que a criança estaria viva.

-Publicidade-
Família encerra velório e leva criança de volta ao hospital após pastor dizer que ela estava viva (Foto: Getty Images)

De acordo com informações do Hospital Municipal, dadas ao G1 Bahia, a menina já havia chegado no local, ainda no dia 25 de março, sem sinais vitais. A equipe médica tentou reanimar a garota por cerca de 30 minutos, e o óbito foi confirmado pelo médico de plantão. A família, então, seguiu com os procedimentos do funeral durante a madrugada.

Durante a cerimônia, no entanto, os parentes dela foram até uma unidade de saúde da família, informando que o pastor tinha dito a eles a criança estaria viva. Mesmo depois que os médicos disseram que a criança estava sem sinais vitais, a família levou-a novamente ao hospital. A criança foi novamente avaliada pela equipe médica e teve, pela segunda vez, a confirmação de que estava sem vida.

-Publicidade-

Para a Polícia Civil, a família disse que a criança teria se mexido durante o velório. A ocorrência foi registrada na Delegacia Territorial de Itaberaba e foi encaminhado à unidade de Itaetê, onde tudo aconteceu, que irá apurar o caso.