Família manifesta por mais leitos de UTI após morte de filha que esperava uma vaga: “Dor não acaba”

A garota de 13 anos foi transferida de hospital mas mesmo assim, não resistiu. Aconteceu uma manifestação em Palmas onde as pessoas pedem mais leitos de UTI

Resumo da Notícia

  • Protestos são feitos em Palmas, onde os manifestantes pedem mais leitos de UTI’s
  • Um dos incentivos foi de Thiago, pai de uma menina de 13 anos que morreu na última semana
  • A UTI para a garota ser internada não estava disponível e ela estava com muita dor, disse o pai

Família e moradores da região de Paraíso do Tocantins se reuniram na última noite de segunda-feira, 2 de maio, na frente da Câmara de Vereadores para organização de protestos contra falta de leitos de UTI no hospital público da cidade. O motivo que incentivou o ato foi após uma adolescente de 13 anos morrer esperando uma vaga.

-Publicidade-

A menina foi transferida para o Hospital Geral de Palmas, mas não resistiu e faleceu na terça-feira, 26 de abril. Uma das suspeitas é que ela teve um caso de colecistite, uma inflamação na vesícula biliar. Porém, ainda não houve a divulgação do laudo médico oficial.

O pai da menina, Thiago Martins Cardoso, disse que o protesto começou às 19h e continuou até as 21h. Os manifestantes levaram faixas, cartazes e até mesmo, adesivos, pedindo para que o governo faça mais leitos de UTI do Hospital Regional de Paraíso, e também, que tenha disponível um UTI móvel para pacientes em estão mais grave.

Thiago Martins é o pai da menina que morreu (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

Nesta terça-feira, 3 de maio, faz exatamente uma semana que a menina morreu. O pai dela disse ao portal G1 que a filha sentia dores há 1 mês. A família levou ela em um especialista mas o médico pediu exames para serem realizados no dia 25 de abril, dia que ela ficou pior.

“Nós levamos ela ao Hospital Regional de Paraíso e de imediato ela foi intubada. A vaga na UTI do HGP foi solicitada por volta de 9h30. A UTI foi liberada por volta de meio-dia. Depois, foi solicitada UTI móvel que veio a ser liberada só às 17h. Se a UTI estivesse aqui em Paraíso, minha filha teria sido transferida. O veículo chegou ao hospital de Paraíso na madrugada por volta de 1h45 e só às 3h da madruga de terça-feira, ela deu entrada no hospital de Palmas” contou o pai com detalhes.

A garota tinha 13 anos (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

Thiago disse que a filha tinha que ser transferida de imediato mas não tinham vagas, então a garota passou a noite na sala vermelha do hospital. “Quando acordei as 6h30, fui ao HGP, e eles passaram a informação que o estado dela era grave e que ela continuava na sala vermelha. A vaga tinha sido ocupada por outra pessoa por causa da demora da UTI móvel. Por volta de 11h, eu recebi a ligação falando que ela tinha tido uma parada cardíaca. Ela teve três paradas cardíacas e morreu por volta das 12h30. O conforto não existe, dor não para, não acaba” finalizou o pai da menina.