Família perde casa após deslizamento de barranco em Salvador

Mulher que morava na casa destruída foi soterrada e teve ferimentos pelo corpo, a família dela não se feriu

Resumo da Notícia

  • Barranco deslizou em comunidade de Simões Filho, Salvador
  • Uma casa de família foi destruída e moradora ficou ferida
  • Família diz que não tem mais nada
  • O Ministério Público falou que já vem observando a área da comunidade

Barranco na cidade de Simões Filho, em Salvador, deslizou nesta sexta-feira, 4 de março e destruiu casa de família. Até o momento o que se sabe é que um bebê de 11 meses foi salvo por pais e uma mulher se feriu no rosto e nas pernas. O local destruído fica em uma área de risco na comunidade chamada Deus é Fiel. A mulher ferida ficou soterrada no local mas os vizinhos conseguiram socorrer ela. Na casa morava essa mulher com a filha, o genro e sua neta.

-Publicidade-

O genro da mulher, Micael, disse em entrevista ao G1 que a família toda estava dormindo quando aconteceu o acidente. “A gente só ouviu o barulho e quando a gente se deparou, já estava debaixo da terra. A minha sogra chegou a ficar enterrada. Os destroços levaram a cama que a gente estava deitado com nossa filha. Com o barulho, no susto, a gente pegou correndo a criança e guardou, porque os destroços caíram por cima. Graças a Deus, os vizinhos ajudaram a gente a sair de debaixo dessa lama, debaixo da tempestade” disse o homem.

Barranco deslizou em casa de família na capital baiana
Barranco deslizou em casa de família na capital baiana (Foto: Reprodução/ TV Bahia)

Micael também alegou que sempre acontecem deslizamentos de terra no local “Isso vem acontecendo sempre, mas a situação sempre dá pra ver, então saímos logo, por isso não aconteceu dano nenhum com as outras famílias. Mas dessa vez nós fomos pegos de surpresa”. E por fim, o homem falou que irá precisar de ajuda para construir a casa novamente. “Eu não tenho condições de chegar ali e comprar tudo. Se eu tivesse condições eu não estaria aqui, estaria em um lugar melhor. Minhas condições são poucas e eu peço ajuda, porque todos nós precisamos de ajuda. Eu não tenho mais nada, não deu para salvar nada. Está tudo molhado, destruído. Documento está destruído, sofá, cama, fogão, geladeira, as coisas da minha filha, não sobrou nada, nem roupinhas para ela” disse ele.

O Ministério Público falou que acompanham a situação de famílias que moram em área de risco. Este local está em fase de desocupação e os moradores da comunidade vão ser direcionadas para outras moradias. Quem está cuidando dessa mudança é o MP-BA, mas as famílias da comunidade vem reclamando da demora.