Família que estava na tragédia do Capitólio faz vaquinha para ajudar piloto de lancha

Ana Martins da Costa, o marido e os filhos presenciaram o episódio. Ao saber que a única fonte de renda do piloto era aquela e o veículo estava destruído, ela teve a ideia

Resumo da Notícia

  • Ana Martins da Costa decidiu criar uma vaquinha para ajudar um piloto de lancha vítima da tragédia de Capitólio
  • Ela e os familiares estavam no local na hora da queda da rocha
  • Ele tinha como única fonte de renda aquilo e a lancha sofreu prejuízos

No dia 8 de janeiro, uma parte da estrutura rochosa dos cânions de Capitólio, no Sul de Minas Gerais, desabou e atingiu algumas lanchas com pessoas e turistas que estavam no local. A tragédia fez algumas vítimas e causou outros prejuízos.

-Publicidade-
A lancha de Guilherme ficou assim após a queda da rocha em Capitólio, MG
A lancha de Guilherme ficou assim após a queda da rocha em Capitólio, MG (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal/Bhaz)

Entre eles, a lancha de um dos pilotos, Guilherme Rodrigues de Oliveira, sofreu bastante com o acidente e um veículo novo custa R$ 450 mil. Sendo assim, Ana Martins da Costa, uma fotógrafa de 49 anos, decidiu ajudar o piloto da lancha fazendo uma vaquinha.

A mulher, que estava no local, ficou ferida e está se recuperando no momento. Mas ao ter ciência, no dia seguinte, que a lancha era a única fonte de renda do piloto, teve a iniciativa. O objetivo é que ele consiga comprar uma nova com o dinheiro arrecadado.

“Ficamos muito preocupados com a situação dele, que ainda não tinha terminado de pagar a lancha e não tinha seguro também. Nós estamos bem e vivos, agora é ajudar. Fiquei pensando como ele ia continuar a vida dele? Foi daí que tivemos a ideia”, contou Ana em entrevista ao G1.

Mulher cria vaquinha para piloto de lancha que teve prejuízos com tragédia em Capitólio
Mulher cria vaquinha para piloto de lancha que teve prejuízos com tragédia em Capitólio (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal/Bhaz)

Ao portal Bhaz, Guilherme comentou: “É difícil você saber que ainda existem pessoas assim nesse mundo. Pessoas que preocupam com o próximo, apesar de sofrer as lesões que eles sofreram, os traumas, com crianças… e eles ainda se preocuparem com isso é de impressionar”.