Febre: saiba em que momento e a partir de qual temperatura você deve se preocupar com seu filho

A febre é um sinal de alerta para alguma doença infecciosa, que pode ser viral ou bacteriana. Doenças bem menos comuns, como inflamações e neoplasias, também podem ter a febre como uma das manifestações clínicas

Resumo da Notícia

  • A febre é um dos sintomas que mais afligem os pais
  • Para os pediatras é um sinal de alerta para alguma doença infecciosa, que pode ser viral ou bacteriana
  • Quanto ao nível da febre, temperaturas maiores do que 37,1 graus já indicam que algo está errado e merece atenção

O médico do departamento Materno-Infantil do Hospital Albert Einstein, Dr. Claudio Len, é nosso braço direito quando surge alguma dúvida sobre a saúde do seu filho. Desta vez, o assunto é febre! Leia a coluna completa:

-Publicidade-

A febre é um dos sintomas que mais afligem os pais. Para os pediatras é um sinal de alerta para alguma doença infecciosa, que pode ser viral ou bacteriana. Doenças bem menos comuns, como inflamações e neoplasias, podem ter a febre como uma das manifestações clínicas. Antes de falarmos da febre propriamente dita, cabem algumas considerações básicas:

  • A temperatura normal de uma criança, na axila, varia entre 35,7 e 37,0 graus Celsius;
  • A temperatura mensurada na testa ou na orelha deve ser interpretada de acordo com as especificações do termômetro utilizado, uma vez que muitos termômetros importados mostram temperaturas mais elevadas, pois consideram a equivalência para a temperatura oral normal que é de 38,0;
  • Ao mensurar a febre dos bebês, evite o excesso de roupa, pois pode elevar a temperatura.
Temperaturas maiores do que 37,1 graus já indicam que algo está errado (Foto: iStock)

Quanto ao nível da febre, temperaturas maiores do que 37,1 graus já indicam que algo está errado e merece atenção. De um modo geral recomenda-se a administração de antitérmicos nos casos de temperatura maior ou igual a 37,8 graus, ou menos, se a criança está com desconforto ou dor.

Recomendo que os pais conversem com o pediatra de confiança ou procurem um pronto-socorro no caso de febre, especialmente quando há prostração ou irritabilidade. Bebês de até 3 meses com febre devem ser avaliados o quanto antes, pois a temperatura elevada pode indicar uma infecção.

No verão, as febres são mais comuns?

Virna, mãe de Kaíque

Algumas doenças que causam febre são mais comuns no verão, outras no inverno, ou outono, e assim por diante. De um modo geral, há uma sazonalidade das infecções, em especial as causadas por vírus. Seguem exemplos: viroses que causam diarreia são frequentes no verão, e viroses que afetam as vias respiratórias têm o pico no outono e inverno. Cabe destacar aqui que as aglomerações aumentam as taxas de infecção. Portanto, faz sentido concluir que os períodos de aulas, que não são no verão, concentram mais os casos de infecções.

Em alguns casos, a febre pode estar associada a infecções mais graves, como pneumonias, meningites e até mesmo septicemias (Foto: Shutterstock)

Qual é o momento em que devo me preocupar com a febre do meu filho?

Luciana, mãe de Jéssica

Em alguns casos, a febre pode estar associada a infecções mais graves, como pneumonias, meningites e até mesmo septicemias (termo que significa infecção disseminada). De um modo geral, alguns sinais devem chamar a atenção dos pais:

  • Febre alta, acima de 39 graus, que custa a abaixar com antitérmicos;
  • Prostração, gemência ou irritabilidade;
  • Febre acompanhada de vômitos, falta de ar, calafrios ou dor de cabeça de forte intensidade;
  • Febre em crianças com até 3 meses.

Febre em bebê com 5 meses pode ser sinal do quê?

Jade, mãe de Laura

Na grande maioria das vezes, a febre em um bebê de 5 meses é sinal de uma infecção viral ou bacteriana. O exame clínico é a melhor maneira de esclarecer o diagnóstico, mas em alguns casos são necessários exames subsidiários, como os exames de sangue, urina e eventualmente radiografia de tórax. Destaco aqui que, diferentemente do que muitos pensam, a erupção dentária nunca causa febre. É importante que ao surgir o sintoma, os pais procurem um especialista para avaliar o caso.

* Dr. Claudio Len, pai de Fernando, Beatriz e Silvia, é pediatra e nosso megaconsultor, formado pela Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo