Felipe Araújo comenta sobre o autismo do filho: “Eu quero agradecer muito a todos os profissionais que cuidam do Miguel”

O cantor falou durante entrevista sobre o diagnóstico do filho e agradeceu a ex-companheira por ter identificado o espectro autista na criança

Resumo da Notícia

  • Felipe Araújo contou sobre o espectro autista do filho pela primeira vez
  • Durante entrevista, o pai de Miguel afirmou que foi a ex-companheira, psicóloga de formação, que identificou o caso no menino
  • O cantor revelou que conta com projetos para ajudar outras pessoas a identificarem o autismo nas crianças

O cantor Felipe Araújo, de 26 anos de idade, comentou abertamente pela primeira vez sobre o estado de saúde do filho, Miguel, de 2 anos e 9 meses, fruto do relacionamento anterior com Caroline Marchezi. O menino foi diagnosticado com espectro autista leve desde um ano e meio de vida.

-Publicidade-

Durante entrevista para o Lady’s Podcast Felipe Araújo contou sobre o tabu que cerca o caso: “Isso é um tabu que às vezes as pessoas carregam, mas tanto eu quanto a mãe do meu filho não temos esse tabu. Graças a Deus estamos aqui para ser exemplo. Meu filho tem espectro autista, muito leve.”, afirmou.

Felipe Araujo e Caroline, mãe do pequeno Miguel. (Foto: Reprodução / Instagram @felipearaujocantor)

Em seguida, o artista agradeceu a ex-companheira, psicóloga de formação, que ajudou a família de Miguel a identificar o autismo mais cedo: “E eu quero agradecer a mãe do Miguel porque ela é psicóloga e toda a faculdade dela ela fez atendimento a pessoas autistas, antes de engravidar, e fez até um trabalho filantrópico para ajudar pessoas autistas. E foi isso que fez a Carol poder perceber tão rápido, identificou com um ano e meio que poderia estar dentro do espectro”.

Felipe Araújo também destacou no podcast sobre a importância que o diagnóstico e o tratamento precoce causaram para o filho, ao alegar que hoje o menino não é mais retraído como quando ele tinha 1 ano de idade.

“O Miguel quando tinha um ano e meio era muito retraído e hoje o Miguel sai de onde estiver e vem me dar um abraço e isso é uma das coisas que mais me emociona na minha vida porque foi muito surreal isso. E eu agradeço muito a Carol por ter percebido isso antes e agradeço a todos os profissionais que cuidam do Miguel há mais de um ano.”

Na sequência, o pai de Miguel comentou que possui muito projetos para ajudar pessoas com espectro autista, assim como o filho. “(…) porque é muito complexo, só o diagnóstico já é difícil. Eu quero agradecer muito todos os profissionais que cuidam do Miguel”, concluiu.