Férias escolares irão acontecer em São Paulo: saiba como vai funcionar

O secretário estadual da Educação explicou a decisão da medida e falou sobre como será a previsão do retorno da primeira semana letiva de 2021

Resumo da Notícia

  • A medida foi tomada para o descanso de alunos e professores
  • Saiba a previsão da primeira semana letiva de 2021
  • Novas orientações irão depender do que a área da saúde dirá futuramente sobre a pandemia de coronavírus no Brasil

Nesta terça-feira, 3 de novembro, o secretário estadual de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, disse em entrevista ao Bom dia São Paulo, da TV Globo, que o ano letivo de 2020 terminará em dezembro e haverão férias escolares. Segundo a medida, a previsão é de que o início das aulas aconteçam na primeira semana de fevereiro e que os alunos e profissionais tenham uma parada de descanso.

-Publicidade-
A previsão da primeira semana letiva de 2021 é em fevereiro (Foto: Getty Images)

A partir de hoje, as aulas presenciais para o ensino médio da rede pública estão acontecendo. A medida foi autorizada pelo prefeito da cidade, Bruno Covas, e não acontece de forma obrigatória. As aulas remotas ainda estão mantidas.

“O ano letivo deste ano termina em dezembro, vamos cumprir as férias escolares no mês de janeiro, entendemos que é muito importante que profissionais da educação tenham uma parada de descanso, inclusive para o próprio estudante. É desligar mesmo. Devemos fechar o calendário, anunciar nos próximos dias, talvez ainda esta semana, o calendário do ano de 2021, que deve ter o início das aulas no máximo na primeira semana de fevereiro”, comentou o secretário.

-Publicidade-
A medida foi tomada para o descanso de alunos e profissionais da educação (Foto: iStock)

No entanto, Rossieli reforçou que as condições de retorno dependem do que dirá futuramente a área da saúde sobre a pandemia do coronavírus. “Torcemos que a situação esteja muito mais controlada para que a gente consiga voltar com percentual maior e já de forma obrigatória a parte presencial”.

Em 2021, o secretário explicou que o número de alunos matriculados é parecido com o ano letivo de 2020, em cerca de 3,4 milhões. Vale lembrar que mesmo a retomada das escolas públicas e privadas do Estado de São Paulo terem sido autorizadas em 7 de outubro, cabem aos prefeitos dos municípios a decisão sobre da volta às aulas.

-Publicidade-