Ferrugem fala sobre paternidade: “É importantíssimo os pais caminharem ao lado dos filhos”

A chegada das meninas trouxe um novo olhar para o cantor, que destaca a importância da união e carinho para construir cada estrofe da própria história

Resumo da Notícia

  • Ferrugem comentou sobre paternidade e criação das filhas
  • Ele é pai de Júlia, Sofia e Aurora
  • O cantor também disse como a pandemia impactou a forma de enxergar o papel de pai

Bastam alguns minutos de conversa para entender o significado da paternidade na vida de Ferrugem. O cantor e produtor musical é pai de três meninas, Júlia, do relacionamento anterior com Juliana Barbosa, e Sofia e Aurora, frutos do casamento com Thaís Vasconcelos, e com um sorriso no rosto mostra o impacto disso na própria vida: “A chegada delas, sem dúvida alguma, trouxe uma mudança de 360º. E não são só as três, mas as quatro (incluindo a minha esposa) acrescentam muito na minha vida.

-Publicidade-
Ferrugem é pai de três meninas e casado com Thaís Vasconcelos
Ferrugem é pai de três meninas e casado com Thaís Vasconcelos (Foto: Thaís Galardi)

A gente ganha um nível de sensibilidade e força não alcançado por todos os homens. Elas são grandes exemplos para mim”. Ele sempre se sentiu grato por ter a família unida, porém o período de isolamento acarretado pela pandemia da Covid-19 deixou isso ainda mais evidente e trouxe novos aprendizados. “Eu descobri agora com essa paralisação de trabalho a importância da paternidade ativa, de você estar ali full time. É uma coisa que pode mudar o nosso coração completamente e eu pude ter isso agora”, pontua. E esse momento juntos trouxe benefícios para todos os envolvidos, com muita troca, carinho e risadas. Hoje, esse período “grudado” com as filhas torna os dias mais cheios de alegria.

Tem tempo para tudo

É um processo, como o cantor reafirma, mas buscar essa qualidade de vida tem sido uma procura constante em casa. E na rotina, esse cuidado se dá em passar tempo de qualidade com todos juntos e com cada um individualmente. Assim, tanto ele quanto a Thaís têm um momento a sós com as meninas para aproveitar e fazer atividades que cada uma prefere. E quando se reúnem, desfrutam da companhia um do outro. Mesmo as questões usuais do dia a dia foram mais valorizadas, como colocar as filhas para dormir, levar e buscar na escola. “É uma delícia. Tem sempre algo novo e a gente está sempre se divertindo e assistindo a evolução delas de perto”.

Uma das tradições dos finais de semana, por exemplo, é assistir a um filme no quarto dos pais comendo pipoca. “No final de tudo, ninguém assiste nada, a gente fica só falando e zoando. Eu adoro que desses momentos conseguimos extrair vários registros legais”. Estar em família e ter todo mundo unido é algo que o cantor traz da própria criação. Com uma família grande, sempre teve muita gente dentro de casa e sempre gostou disso. Com mais dois irmãos e sendo o caçula, também destaca o ganho desse convívio e é até saudoso ao relembrar algumas memórias, mesmo que não tão boas – como os castigos.

Ferrugem estampou a capa da edição da revista mostrando a sintonia em família
Ferrugem estampou a capa da edição da revista mostrando
a sintonia em família (Foto: Thaís Galardi)

Por isso, nem foi necessário mostrar para as crianças a importância do contato com a família, desde cedo ele foi muito presente, principalmente com as visitas dos avós. “Com a minha família desse jeito e essa formação bacana e cheia de gente, a minha vida é muito mais completa e feliz”, afirma. Estar rodeado de quem ele ama, é fundamental, mas Ferrugem entende que é preciso equilíbrio. A prioridade para ele é e sempre será a família, mas também é necessário arrumar tempo para o casal. “Não adianta você só viver o lado do pai e ela só o lado da mãe, porque vai faltar o lado marido e vai faltar o lado mulher. E esse lado marido e mulher que está faltando vai afetar no lado pai e mãe também”, opina. Ele também faz questão de ter um tempo para si, que acontece em casa dentro do estúdio, mas acrescenta: “Todos os outros momentos eu quero compartilhar sempre com elas, é como me sinto bem”.

Amor que une

Nesse sentido, a rede de apoio é essencial. Ferrugem percebeu isso logo no nascimento da primogênita, Júlia. Pouco depois da chegada da bebê, a mãe dela faleceu e Ferrugem desabafa: “Foi muito complicado. No início, fiquei completamente perdido. Naquela época, fazia 35 shows por mês. Como teria essa atenção em tempo integral para a Júlia? Era algo impossível, eu estava correndo atrás do próprio futuro dela, então tinha que dar um jeito”. E a saída encontrada surtiu efeito. A mãe e o pai do cantor foram morar com ele e, hoje, ele agradece pelo suporte. Mesmo com essa ajuda, ele completa: “Independente de rede apoio, independente da quantidade de pessoas que viessem para somar, eu só enxergava que éramos eu e a Júlia. Foi o momento que fiquei mais apreensivo na paternidade”.

Para Ferrugem, a parceria entre pais e filhos é fundamental
Para Ferrugem, a parceria entre pais e filhos é fundamental (Foto: Thaís Galardi)

Pouco tempo depois, ele conheceu a Thaís. “Deus colocou no meu caminho uma mulher que tinha as mesmas características de personalidade da Juliana. Ela se encontrou com a Júlia e, em questão de uma/duas semanas no máximo, a Júlia tomou a decisão sem falar com ninguém ou perguntar de passar a chamar a Thaís de ‘mãe’. A gente não precisou planejar nada, as coisas foram acontecendo e se encaixando de acordo com o que o nosso coração tinha de necessidades”. Ferrugem fala deste momento com sorriso no olhar e comemora a parceria que construiu.

Nova perspectiva

Como pai de três meninas, ele garante que a paternidade o desconstruiu 100%: “Todas as questões que a meu ver até então eram femininas, eu entendi que são questões humanas, que se devem discutir entre homens e entre família. Se a mulher não fala de um assunto é porque o homem não deve falar também”, e conta: “É incrível você ter três crianças dentro de casa e essas três crianças terem um cuidado tremendo contigo. É a coisa mais linda do mundo o que elas fazem por mim, o carinho que elas têm. Quem ama cuida e eu tenho a obrigação de retribuir todo esse amor delas”.

Ser pai de três meninas, segundo Ferrugem, o desconstruiu
Ser pai de três meninas, segundo Ferrugem, o desconstruiu (Foto: Thaís Galardi)

A paternidade foi tão transformadora na vida de Ferrugem que influenciou até o próprio trabalho artístico, principalmente no cuidado na escolha do repertório. “Meu próximo lançamento, o ‘Ferrugem em Casa’ tem a escolha de repertório mais bonita e madura da minha carreira”. O projeto que irá ao ar em dezembro, em duas partes, conta com músicas inéditas e regravações de pagodes bem conhecidos dos brasileiros: “Quem acompanha meu trabalho há muito tempo, vai ter a sensação de retornar para um lugar, onde, de repente, eu nem deveria ter saído”.

Ele comenta: “Eu quero deixar um legado musical não só para o meu público. Eu quero que minhas filhas escutem minhas músicas lá na frente quando eu estiver bem velhinho ou quando eu não estiver mais por aqui e não sintam vergonha. Quero que elas tenham orgulho de carregar esse legado que eu venho construindo na música”. Por essa razão, o cantor conta que faz questão de mostrar as criações para as meninas e para Thaís, e não tem dúvidas, se as quatro não gostarem, ele nem lança: “Para mim, é um superindicativo de que essa música não vai dar certo”.

Ferrugem também revela que já compôs e gravou músicas inspiradas na esposa, mas não chegou a lançar. “Quando eu faço para a Thaís, é um presente único para ela, eu não posso dar uma roupa pra ela e todo mundo sair usando (rs)”. No novo projeto, a música “Deixa eu ficar” também tem um sentido especial para o casal. “Ela conta a história de um homem de família que vai embora de casa e depois volta com o rabo entre as pernas pedindo perdão. Foi uma canção que me tocou muito, porque eu já vivi esse momento. Me emocionou, emocionou a Thaís e emocionou as crianças”, diz.

A chegada de Júlia foi transformadora na vida de Ferrugem
A chegada de Júlia foi transformadora na vida de Ferrugem (Foto: Thaís Galardi)

O que fica

Embora a paternidade não tenha sido um sonho desde criança para Ferrugem, ele se diz realizado com a família que formou. “Eu não tenho do que reclamar, tenho uma vida maravilhosa, tenho uma família maravilhosa, tenho crianças saudáveis, felizes e que entendem o valor do amor e carinho já tão cedo”. Por isso, a grande expectativa no momento está em realmente aproveitar esse papel e esperar para que as filhas cresçam e possam se curtir cada vez mais. “Parece que eu aprendo mais do que eu ensino. Toda hora que eu acho que eu vou ensinar alguma coisa, eu me dou conta que na realidade estou aprendendo com elas”.

Neste contexto, ele acrescenta: “É importantíssimo os pais caminharem ao lado dos filhos e os filhos também quererem caminhar ao lado dos pais, porque o mundo não para de evoluir. Se um acompanha essa evolução distante do outro, de repente, alguém pode ficar para trás. É o que eu mais temo, das minhas filhas irem e eu ficar para trás. Eu não quero que isso aconteça. Eu quero estar ao lado delas a todo momento da vida delas até onde der”.

Ferrugem destacou como o período em isolamento trouxe reflexões sobre a forma de paternar
Ferrugem destacou como o período em isolamento trouxe reflexões sobre a forma de paternar (Foto: Thaís Galardi)

Ferrugem também traz consigo as referências e exemplos que recebeu dos pais e ressalta o carinho com os filhos como o grande ensinamento que teve e deseja passar para as filhas. O cantor conta que gosta de tratar as três como “bebês” e vai ser sempre assim. Se a chegada da paternidade foi tumultuada e com muitas preocupações e incertezas, atualmente, ele afirma que sente o prazer desse papel: “A estabilidade financeira e a estabilidade de um trabalho trazem essa leveza de ter uma família, estar cuidando das pessoas. Hoje, posso sentir essa tranquilidade e essa paz para ter espaço no meu coração e poder curtir minha família e viver bons momentos com ela”.

Os anos e a maturidade fizeram o cantor enxergar a paternidade de uma outra forma. “Afinal, dizer que você tem uma família é mole, mas viver como uma família é uma parada que todo mundo tenta alcançar e é complicado. Eu consegui enxergar isso agora e entender de fato o que é uma família, então procuro tomar atitudes que condizem com essa questão”. Para ele, valorizar o dia a dia, a companhia, os detalhes e as pessoas é fundamental para extrair o melhor da vida. “Eu desejo que a gente possa seguir dessa maneira, vivendo como uma unidade, como se fôssemos um corpo só. Eu só peço a Deus que elas permitam que a gente possa estar ali coladinho acompanhando e vendo a evolução e as conquistas delas”.

Ferrugem agradece Thaís Vasconcelos pela parceria e família que construíram
Ferrugem agradece Thaís Vasconcelos pela parceria e família que construíram (Foto: Thaís Galardi)