Filha de Bolinha implora por ajuda após ter sido despejada: “Meu pai nunca me deixou trabalhar”

No momento, Vitória Cury está morando em uma das casas de seu amigo, Sergio Oldenburg, na Zona Norte de São Paulo

Resumo da Notícia

  • A filha do apresentador Bolinha, Vitória Cury, foi despejada
  • Ela estava sem onde morar e foi abrigada por seu amigo, Sergio Oldenburg
  • Ela alega que as crises financeiras que enfrenta vieram porque seu pai não a deixava trabalhar

A filha do apresentador Bolinha, Vitória Cury, está sem onde morar desde o começo da última semana. Após não conseguir pagar o aluguel na casa em que morava, a mulher foi despejada e precisou sair da residência.

-Publicidade-

Em entrevista ao Domingo Espetacular, Vitória contou que entrou em uma grande crise financeira. “Tudo aconteceu de repente, embora já tivesse processo, já vinha correndo [na Justiça], eu sabia que poderia acontecer. Qual era a minha ilusão? Que eu venderia meu imóvel em Guarujá e pagaria os alugueis atrasados. E pronto, sairia numa boa”, disse se referindo ao apartamento deixado como uma das heranças por Bolinha.

Filha de Bolinha implora por ajuda após ter sido despejada: “Meu pai nunca me deixou trabalhar” (Foto: Reprodução/ Domingo Espetacular)

Outros sete imóveis ficaram nas custódias das filhas, mas Vitória acabou vendendo em momentos em que se apertou financeiramente. “Talvez tenha errado, achava que se eu mantivesse os imóveis, com condomínio, pagava o condomínio, IPTU. Devia ter vendido todos e comprado uma casa. Não tinha essa visão. Eu fui vendendo para apagar o fogo”, afirma a mulher, reconhecendo seu erro.

Na pandemia, a situação piorou. Durante essa época Vitória até tentou vender sorvete, mas não conseguiu uma renda para se sustentar. Por enquanto, ela mora em uma casa de Sergio Oldenburg, seu amigo, na Zona Norte de São Paulo.

Vitoria diz que a explicação para tantos problemas financeiros está no fato de que o pai nunca deixou ela e as irmãs trabalhassem. Tudo se complicou quando Bolinha faleceu em 1 de julho de 1998.

Ela disse que o pai nunca deixou ela e as irmãs trabalharem
Ela disse que o pai nunca deixou ela e as irmãs trabalharem (Foto: Istock)

Despejada, as coisas da mulher foram levadas para um armazém. De acordo com a mesma, ela tem 15 dias para retirar se não um valor de 4 mil reais passará a ser cobrado. “Apelar para quem tem bom coração. Eu quero dizer que não me joguem pedra, não me critique por não saber da minha história. Sou uma mulher muito assumida, digna”, finalizou.