Filha desabafa sobre Alzheimer da mãe: “Ela não lembra quem eu sou, mas me conhece como ninguém”

Lauren Dykovitz decidiu escrever um relato falando sobre como o Alzheimer afeta alguém querido, o exercício da convivência se torna um desafio, mas pode render aprendizados profundos sobre amor

Resumo da Notícia

  • Quando o Alzheimer afeta alguém querido, o exercício da convivência se torna um desafio
  • Mas pode render aprendizados profundos sobre amor, compaixão, aceitação e tolerância
  • Lauren Dykovitz decidiu escrever um relato falando sobre aprendizado e como lida com o Alzheimer da mãe

Quando o Alzheimer afeta alguém querido, o exercício da convivência se torna um desafio, mas pode render aprendizados profundos sobre amor, compaixão, aceitação e tolerância. Lauren Dykovitz decidiu escrever um relato falando sobre aprendizado e como lida com o Alzheimer da mãe, para o Love What Matters.

-Publicidade-
Estudo aponta que hormônio do amor pode curar Alzheimer (Foto: Shutterstock)

“Quando conto para alguém que minha mãe tem Alzheimer, a primeira coisa que eles costumam perguntar é: ‘Ela sabe quem você é?’ Houve um tempo em que eu podia responder com segurança: ‘Sim, ela sabe’. As pessoas sempre pareciam tão aliviadas em ouvir isso. ‘Oh isso é bom!’ Embora fosse bom que minha mãe ainda soubesse quem eu era, eu queria acrescentar: ‘Sim, mas ela se perde em sua própria casa.’ Ou, ‘Verdade, mas ela não consegue se lembrar como colocar uma camisa”, começou.

E completou: “Com o passar dos anos, essa pergunta ficou mais difícil de responder. Havia dias em que minha mãe olhava diretamente para mim e não sabia quem eu era. Ou ela olhava para uma foto minha e não conseguia me dizer quem estava na foto. Mas, também houve dias em que ela sabia exatamente quem eu era”, disse.

-Publicidade-

Lauren ainda falou que sempre tinha que explicar que nem sempre a mãe lembrava das coisas, mas ás vezes ela lembrava de detalhes. “Eu dizia às pessoas que às vezes ela se lembrava de mim e às vezes não. Mesmo assim, as pessoas pareciam tão aliviadas em saber que ela não havia se esquecido totalmente de quem eu era. Embora fosse bom que minha mãe se lembrasse de mim às vezes, eu queria acrescentar: ‘Sim, mas ela não pode usar o banheiro sozinha.’ Ou, ‘Verdade, mas ela não tem ideia de como entrar em um carro”, continuou.

“Com o passar do tempo, não tive escolha a não ser dizer às pessoas que não, minha mãe não sabia quem eu era. Eles responderam com simpatia e tristeza, muitas vezes com lágrimas reais. Isso quebrou o coração deles, e quebrou o meu saber que havia coisas muito piores do que minha mãe não saber quem eu era”, desabafou.

Ela abriu o coração (Foto: Reprodução / Love What Matters)

A filha ainda conta que aprendeu a lidar com a doença e tentou tirar aprendizados das situações. “Há coisas muito piores nessa doença do que minha mãe não saber quem eu sou. Ela nem sabe mais quem ela é. Ela está basicamente sentada, esperando para morrer. Esta doença é extremamente severa. Se eu tivesse um desejo a desejar, uma coisa para minha mãe ter de volta, não seria para ela se lembrar de quem eu sou. Isso seria a última coisa que eu desejaria. Ela merece muito mais”, disse.

E continuou: “Agora, quando as pessoas me perguntam se minha mãe sabe quem eu sou, tenho uma resposta diferente. Um que levei muitos anos para aprender. Eu digo a eles: ‘Não, minha mãe não sabe quem eu sou, mas ela me conhece. Ela conhece meu coração e minha alma e meu amor por ela. Ela conhece minha voz e minha presença. Ela não sabe que sou filha dela, Lauren, mas ela sabe que me conhece. Ela sabe que eu a amo e ela me ama. Ela sabe que está segura comigo. Ela me conhece em outro nível. Nosso vínculo é inquebrável e inegável. O que temos é muito mais importante do que ela saber meu nome”.

Apesar da mãe não lembrar da filha as vezes, ela conhece a filha como ninguém. ” Existem coisas muito piores no Alzheimer do que minha mãe não saber quem eu sou, mas também existem coisas muito melhores. Ela me conhece de uma maneira que ninguém mais conhece”, finalizou.

-Publicidade-