Filho da cantora Sinead O’Connor é encontrado morto dois dias após desaparecer de hospital

Shane O’Connor morreu aos 17 anos e sofria de depressão. O menino havia desaparecido do hospital em que estava internado após duas tentativas de suicídio

Resumo da Notícia

  • Shane O'Connor foi encontrado morto na cidade de Wicklow, na Irlanda
  • O menino havia sido dado como desaparecido dois dias antes da morte
  • Sinéad O'Connor fez uma homenagem ao filhos nas redes sociais
  • O adolescente estava internado em um hospital após duas tentativas de suicídio
 

Shane O’Connor, filho de 17 anos da cantora Sinéad O’Connor, foi encontrado morto na cidade de Wicklow, na Irlanda.

-Publicidade-

O menino havia sido dado como desaparecido dois dias antes da morte. Pelo Twitter a cantora declarou que Shane “decidiu encerrar sua luta terrena. A artista já havia ameaçado processar o hospital onde o adolescente estava internado após duas tentativas de suicídio.

(Foto: Reprodução/Redes sociais)

No dia 3 de janeiro, a cantora pediu orações para o filho e há dois dias, relatou o desaparecimento. Em uma sequência de postagens, ela compartilhou uma música de Bob Marley que dedicou ao filho, e o chamou de seu “bebê de olhos azuis” e “a luz da minha vida”. “Isto é para o meu Shaney. A luz da minha vida. O brilho da minha alma. Meu bebê de olhos azuis. Você sempre será minha luz. Nós estaremos sempre juntos. Nenhuma fronteira pode nos separar”, escreveu.

Shane era um dos quatro filhos de Sinéad, que também é mãe de Jake Reynolds, Roisin Waters e Yeshua Francis Neil Bonadio.

Desaparecimento

Shane foi visto pela última vez em Tallaght, no sul de Dublin, na sexta-feira. Em seu alerta, a cantora de “Nothing Compares 2U” escreveu: “Ele tem 1,52 m, cabelo castanho curto e olhos azuis. Quando visto pela última vez, ele estava vestindo um moletom preto com uma calça de treino escuro de design estampado, uma camiseta cor de vinho e tênis”.

Desde que relatou o desaparecimento de Shane, a cantora recorreu às redes sociais: “Shane, sua vida é preciosa. Deus não moldou aquele lindo sorriso em seu lindo rosto à toa. Meu mundo entraria em colapso sem você. Você é meu coração. Por favor, não pare de lutar. Por favor, não se machuque. Vá para o Gardai e vamos levá-lo ao hospital”.

(Foto: Reprodução/Redes sociais)

Mais tarde, ela ameaçou o hospital de processo caso algo acontecesse com o filho: “Como um jovem traumatizado de dezessete anos QUE ESTAVA NO SUICIDE WATCH [supervisão de suicídio] no Hospital de Tallaght, Lynn Ward, pôde desaparecer??? É claro que o hospital se recusou a assumir qualquer responsabilidade. Aconteceu alguma coisa com meu filho sob sua responsabilidade? Ações judiciais. Eu quero saber por que Lynn Ward, no hospital Taillight, que deveria destacar uma auxiliar de saúde supervisionando meu filho 24 horas por dia, 7 dias por semana, conseguiu deixá-lo fora de seu alcance esta manhã quando, 7 dias atrás, ele fez duas tentativas graves de suicídio”, protestou.

Sinéad também protesta contra a Tusla, a agência estatal irlandesa de proteção à criança e à família, que não a comunicou sobre a morte do filho. Ela afirmou que que o posicionamento da Tusla é inaceitável e que não teve outro contato de órgãos do governo desde que a polícia informou que havia encontrado o corpo do rapaz.