Filho de Fátima Bernardes recebe vacina da covid-19 na França e ela comemora: “Que alegria”

Ela usou as redes sociais para compartilhar o momento e falou um pouco sobre a felicidade deles

Resumo da Notícia

  • Filho de Fátima Bernardes recebe vacina da covid-19 na França
  • Ela usou as redes sociais para compartilhar o momento
  • Junto com fotos do garoto recebendo a vacina, ela comemorou o momento
  • O garoto está na França para estudar, junto com a namorada

Fátima Bernardes usou as redes sociais neste domingo, 16 de maio, para compartilhar algumas fotos do filho, Vinícius Bonemer, recebendo a vacina contra a covid-19 na França, onde ele está para estudar. A apresentadora aproveitou as fotos para comemorar o momento e celebrar com o filho, de longe.

-Publicidade-

O rapaz, de 23 anos de idade, estuda no país ao lado da namorada, Thalita Martins. De acordo com o que foi compartilhado pela Fátima nas redes sociais, ambos receberam a vacina juntos. “Ele está estudando na França e hoje conseguiu se vacinar. A namorada também. Que alegria! Consigo ver a alegria deles por trás das máscaras”, comemorou ela, ao publicar o momento.

Filho de Fátima Bernardes toma vacina contra covid-19 na França (Foto: reprodução Instagram)

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!

Fátima Bernardes fala sobre conciliar trabalho e trigêmeos

Fátima Bernardes abriu o coração sobre a maternidade no jornalismo no programa Modo Mãe, apresentado por Ingrid Guimarães. A jornalista, que teve os trigêmeos Beatriz, Laura e Vinícius sendo apresentadora do Fantástico – e logo depois migrando para a bancada do Jornal Nacional – contou sobre os desafios de conciliar as paixões da profissão e da família:

Eu pensei em várias coisas: morar fora do Rio, num lugar pequeno para trabalhar, num lugar menor. Qualquer coisa que eu pudesse fazer em outro lugar, com outro tipo de horário.”, desabafou Fátima. “Aí, eu ia pro trabalho, tinha um baita jornal e eu falava: ‘Puxa, eu me dediquei muito pra isso, então o que eu quero que os meus filhos pensem? Que o dia que eles tiverem filhos eles vão ter que abandonar os sonhos deles? Não, eles são complementares a esse sonho, eles são parte desse sonho”.

Fátima Bernardes e os filhos, agora com 23 anos (Foto: reprodução/Instagram)

Contudo, a jornalista conta que a mudança da rotina entre os dois programas foi essencial na adaptação de uma rotina que conciliava o trabalho e a maternidade:

“O Fantástico, eu fazia também reportagem, então eu não sabia pra onde eu ia, a semana era uma incógnita. Pela primeira vez, desde que eu tinha entrado na TV, eu tinha horário pra entrar e para sair. A primeira reunião era 14h/14h30 e quando acabava o jornal, eu ia embora. Eu acordava com as crianças, eu levava na pracinha, pediatra”, contou. Fátima também relatou que, mesmo com o peso na consciência, eram os sonhos que a moviam: ” Acho que a culpa vêm quando eles nascem mesmo, de alguma maneira. E o que me movia era uma realização pessoal mesmo, da qual eu nunca abri mão – e uma vontade muito grande que os meus filhos tivessem uma relação saudável com o trabalho”.

Fátima contou que, mesmo com a rotina disciplinada que havia conseguido estabelecer após o nascimento dos trigêmeos, eram muitos os perrengues por trás do jornalismo. Dentre eles, a Copa do Mundo de 2002 foi um dos mais marcantes na vida da jornalista:

“Eu fiz essa primeira parte com eles de férias para ter uma memória agradável. Voltamos e uma semana depois eu embarquei para a viagem. Foram 47 dias. Eles mal falavam comigo direito no telefone. Foi bem difícil. Antes, a escola me avisou que eles estavam dizendo para torcerem contra o Brasil. Ninguém entendeu. Era porque eles me perguntavam quando eu voltava, eu falava: ‘Mamãe vai ficar enquanto o Brasil ganhar, quando o Brasil perder a mamãe volta’. Porque eu não podia dizer uma data. Acho que foi o evento que eu mais trabalhei na minha vida”. Fátima também contou que desenvolveu até fobia de avião depois de virar mãe, pelo medo de morrer e abandonar a família.