Filho de Marília Mendonça acha que a mãe está trabalhando e ainda vai voltar: “A gente vai com calma”

Dona Ruth, mãe da cantora, falou sobre o assunto em uma entrevista concedida ao Fantástico e explicou que Léo ainda é muito novo para entender a situação

Resumo da Notícia

  • Filho de Marília Mendonça acha que a mãe está trabalhando e ainda vai voltar:
  • Dona Ruth, mãe da cantora, que está cuidando do bebê, disse que ele ainda é muito novo e não entende o que aconteceu
  • Ela falou sobre o assunto em uma entrevista ao Fantástico
  • No programa, ela também comentou sobre a educação do bebê e a perda da filha

Dona Ruth, mãe de Marília Mendonça, falou mais uma vez sobre a perda da filha e comentou um pouco sobre a relação com o neto durante uma entrevista ao Fantástico do último domingo, 14 de novembro. A cantora não resistiu após um acidente aéreo que aconteceu no interior de Minas Gerais, enquanto estava à caminho de um show. Todos os que estavam presentes no momento do acidente também faleceram.

-Publicidade-

A mãe contou que, minutos antes da queda, as duas estavam conversando por mensagem e, segundo ela, Marília chegou a dizer que o avião iria pousar. Ela também falou sobre a relação que tinha com a filha e com o restante da família e comentou um pouco sobre o neto, Léo, de 1 ano e 10 meses.

Mãe de Marília Mendonça fala sobre o neto
Mãe de Marília Mendonça fala sobre o neto (Foto: reprodução INstagram)

“Como família éramos muito unidos. Ela era a alegria daqui de casa mesmo, ela sempre falou alto, tudo dela era muito intenso. Tem um silêncio hoje […] a gente consegue ouvir a risada dela no coração”, relembrou a mãe. “Dor muito grande, muito grande, mas ela queria que eu fosse forte, ela sempre me disse isso, sempre frisou isso. Eu estou sendo muito, porque sei que era isso que ela queria”, seguiu a mãe, falando sobre a dificuldade para passar pelo momento da perda.

A mãe seguiu falando mais sobre as característica das cantora. “Marília era super mandona, ela sempre queria comandar tudo. Os dois brigavam muito de vez em quando, porque ela queria comandar ele. Ela costumava falar que era o pai”, disse.

Falando sobre o neto, Dona Ruth comentou sobre a proximidade que a filha e ele tinham e disse que a pandemia, de certa forma, ajudou para que eles tivessem mais tempo juntos. “A pandemia veio para unir a gente, deu tempo dela curtir o filho dela”, afirmou. Ela contou, ainda, que Léo ainda não entende e acha que a mãe está trabalhando. “A gente vai devagar, vai falar da estrelinha, da rainha. Vai chegar a hora certa, até então não tivemos tempo de ter um luto sabe?!”, contou ela, ao ser questionada sobre quando falará a verdade para o neto.

“Somos família e vamos criar o Léo no mesmo clima. Clima de paz, amor, porque ele vai precisar muito da gente”, disse ainda, sobre a guarda compartilhada entre ela e Murilo Huff. No momento, ele segue morando com a avó.

“Eu chorei muito dois dias, depois […] tenho meu neto, se ele me ver chorando ele vai desesperar. Às vezes eu subia lá em cima, chorava, chorava muito, limpava o rosto e descia para brincar e cantar com ele, e ele dava risada”, completou, falando sobre os primeiros momentos sem a filha.

Como falar sobre o luto com as crianças

Educar uma criança está longe de ser uma tarefa fácil. Existem situações, no entanto, que são ainda mais difíceis de falar com os filhos. A morte de uma pessoa querida é uma delas. Nós sabemos que é complicado e triste, mas as crianças precisam saber a verdade e aprenderem a lidar com a perda e com o luto.

Nossa colunista, Cris Guerra, blogueira, publicitária e escritora, passou por isso com o filho Francisco e escolheu o papo reto como saída. Grávida de sete meses, ela perdeu o marido e pai do filho dela. Quando Francisco completou 3 anos, a morte do pai começou a ser um assunto em casa.

Cris não esperava que fosse tão cedo, mas acredita que a pergunta “mãe, cadê meu pai?” veio porque o filho via na escola o pai dos amigos e estranhou a falta de mais alguém em casa. Depois do questionamento, a publicitária contou para o filho sobre o pai e como tudo tinha sido. Antes disso, Cris, que já escrevia o blog de moda “Hoje vou assim”, criou o blog “Cartas para Francisco”. Nele, ela descreve para o filho como era o pai dele.

Falar a verdade, acima de tudo, como Cris fez, é a primeira recomendação da psicóloga Betty Monteiro, mãe de Gabriela, Samuel, Tarsila e Francisco. Dizer que foi para o céu não é a melhor forma de abordar o assunto, porque as crianças não costumam entender essa expressão. Você pode tentar explicar a situação de uma forma que a criança entenda melhor, como dizer que a pessoa que faleceu vai ficar dormindo para sempre.

Também é importante procurar responder tudo o que a criança questiona, para que ela possa entender aos poucos a perda. “A criança vai fazer perguntas e a gente tem que explicar”, alerta a psicóloga. Outra preocupação dos pais nesse momento delicado é demonstrar tristeza. Não precisa ter medo disso, de acordo com Betty. “Não é necessário esconder sentimento e tristeza. Se der vontade de chorar, chora. Fala que vai sentir saudade. Isso é muito importante para os pequenos”, explica. Listamos alguns filmes e livros para ajudar seu filho a entender o luto. Para ver, é só clicar aqui.