Filho que matou a mãe brasileira com tiros de espingarda nos EUA alega insanidade

Adriana Ohlson era natural de Recife, Pernambuco e foi morta por tiros de espingarda disparados pelo próprio filho

Resumo da Notícia

  • Um jovem da Flórida matou a mãe, que era brasileira, a tiros de espingarda
  • Ele está alegando insanidade para ser inocente no caso
  • O pai diz que o disparo foi acidental
  • O jovem está preso e sem direito a fiança

Um jovem de 18 anos diz ter insanidade e alega ser inocente após ser preso por matar a própria mãe, que era brasileira, em Pensacola, na Flórida, Estados Unidos. No dia 8 de abril, David Allan Ohlson admitiu ter dado um tiro de espingarda na mãe, Adriana Ohlson, que tinha 48 anos. Segundo o jornal americano Pensacola News Journal, ele esta preso e sem direito à fiança desde então.

-Publicidade-

O advogado de David, Sharon Wilson, apresentou uma moção ao tribunal como uma defesa de insanidade. Segundo a moção, há cinco particularidades do réu que devem ser consideradas: transtorno psicótico diagnosticado com alucinações e delírios, transtorno de humor, processos mentais gravemente prejudicados, transtorno de adaptação e controles cognitivos, emocionais e de personalidade reduzidos. Alguns médicos locais serão testemunhas no julgamento.

David admitiu ter atirado no abdômen da mãe e ainda disse que “de todas as pessoas que ele planejava atirar, ele não esperava que sua mãe fosse uma delas.” Ele diz estar triste, porque os pais haviam se separado recentemente e ele achava que a mãe iria embora.

O pai do rapaz, Aaeon Ohlson, de 43 anos, viu tudo acontecer e disse que o ocorrido foi “acidental“. Ele disse que por mais que estivesse separado da esposa, foi até a casa de Allan e Adriana naquele dia, porque ela pediu ajuda devido ao filho estar com uma espingarda. O menino descarregou a arma quando o pai chegou, mas depois, colocou uma bala e atirou na mãe em seguida.

Filho que matou a mãe brasileira com tiros de espingarda nos EUA alega insanidade (Foto: Reprodução Redes Sociais)
Filho que matou a mãe brasileira com tiros de espingarda nos EUA alega insanidade (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Chip Simmons, o xerife do condado, disse que a arma estava em um cofre da casa, mas David acabou tendo acesso ao objeto. Simmons ainda disse que não sabia se havia outras armas na casa, mas um ex-colega de classe do menino, Zavian Johnson, de 19 anos, relembrou que atirar era um passamento que David e o pai tinham.

Ele declarou: “Seu pai estava tentando fazer coisas viris com ele, como levá-lo para pescar ou atirar em algum lugar. Seu pai o ensinou a atirar com muitas armas, eles têm uma longa história e faziam muitas coisas de pai e filho juntos. Eles eram muito próximos. Ele era mais próximo do pai do que da mãe.”

Zavian conheceu David na escola e ficou chocado com o ocorrido, pois o menino era uma pessoa engraçada e que amava os pais. O amigo contou que nos últimos tempos, o réu estava mais retraído, parando até de ser ativo no grupo de bate-papo online e de jogar videogame. Ele também contou que David estava estressado porque os pais queriam que ele se tornasse mais independente depois de completar 18 anos, em agosto de 2021.

Tristan Michael também conhecia David do colégio e disse que eles eram melhores amigos até o colega começar a se comportar de forma estranha. “Sua mãe fez tudo por ele, não importa o que fosse, ela amava aquele menino. Ele xingava sua mãe. Honestamente, é horrível essa confusão. Sua mãe deveria ser o mundo dele, ela era uma ótima pessoa”, contou.