“Filme de terror”, relata família que conseguiu se salvar por pouco de tragédia em Petrópolis

Juliano Nascimento morava com a mãe, padrasto e as irmãs que felizmente conseguiram sair ilesos do deslizamento

Resumo da Notícia

  • A chuva em Petrópolis deixou diversas vítimas
  • Juliano Nascimento contou como conseguiu se salvar com a família
  • O homem morava com a mãe, padrasto e as irmãs

Juliano Nascimento contou em entrevista ao UOL, como sua casa saiu ilesa do deslizamento em Petrópolis, mesmo morando no ponto mais alto do morro onde a chuva atingiu primeiro. O homem morava com a mãe, padrasto e as irmãs que felizmente conseguiram se salvar da tragédia.

-Publicidade-

A família diz que só conseguiu se salvar na última terça-feira (15) graças à força da água da chuva, que criou um desvio para a lama que desceu do morro. A enxurrada impediu que os dejetos avançassem em linha reta, onde fica a casa. Após a forte chuva, a família de Nascimento foi uma das que precisaram sair de casa. Eles estão abrigados na residência de uma amiga até que a Defesa Civil libere ou condene o imóvel.

Nascimento disse que, noite de terça-feira (15), a sensação era de que “o mundo estava acabando”. “Foi filme de terror total, catástrofe mesmo”, definiu. O rapaz contou que, por volta das 17h, mandou mensagem à sua irmã pedindo notícias. Naquele momento, ela disse que estava tudo bem e relatou a queda de uma pequena quantidade de lama, que, contudo, já bloqueava um dos acessos à região.

Juliano contou em detalhes como a cachoeira salvou a família do deslizamento em Petrópolis
Juliano contou em detalhes como a cachoeira salvou a família do deslizamento em Petrópolis (Foto: Reprodução/YouTube)

Pouco depois das 18h, a irmã retornou a ligação, mas com um cenário bem diferente. “Ela estava chorando e dizendo que estava caindo tudo, para eu vir aqui ajudá-la.” Àquela altura, Nascimento já tinha recebido no trabalho vídeos e áudios no WhatsApp sobre a situação. “Começamos a ficar assustados e ter noção do que acontecia na cidade.”.

Nascimento, sua mãe, o padrasto e dois primos desceram as escadas e ouviram o estrondo do primeiro deslizamento. “Foi um barulho ensurdecedor, pensamos que pudesse ser na [nossa] servidão.”. Ao ouvir o barulho, a família estava no meio da servidão. Nascimento conta que só deu tempo de se refugiar em uma casa um nível acima da servidão e rezar. “Era medo e angústia de todo aquele cenário, de não saber se iríamos sair com vida”, relembrou.

“Nós só conseguimos sair porque a água limpou o caminho e conseguimos evacuar todo mundo”, resumiu Nascimento.