Final feliz! Mãe e filho venezuelanos se reencontram no Brasil após dois anos sem se ver

Alícia Victoria Vargas Lopes conseguiu trazer o filho para o Brasil com ajuda da Fraternidade sem Fronteiras

Resumo da Notícia

  • Mãe e filho venezuelanos se reencontraram após dois anos sem se ver;
  • Alícia Victoria Vargas Lopes veio para o Brasil com a filha mais nova em 2019 e deixou o mais velho com um conhecido;
  • O menino de 14 anos permaneceu no país vizinho porque a família não tinha dinheiro suficiente para que todos fizessem a viagem.

Apesar das dificuldades, mãe e filho venezuelanos finalmente ganharam seu final feliz! Com a ajuda da organização humanitária Fraternidade sem Fronteiras, os dois se reencontraram em Roraima após dois anos sem ver.

-Publicidade-

Alícia Victoria Vargas Lopes veio para o Brasil com a filha mais nova em 2019 e deixou o mais velho com um conhecido, que morreu. A mãe explicou ao portal G1 que o menino de 14 anos permaneceu no país vizinho porque a família não tinha dinheiro suficiente para que todos fizessem a viagem.

“Descobri que meu filho passou o primeiro semestre de 2021 comendo, diariamente, pão e café. Isso me fez pensar que eu precisava pedir ajuda e enfrentar qualquer situação pra tirá-lo da Venezuela. Em São Paulo, a ‘Fraternidade na Rua’ disse que ajudaria e então eles fizeram várias campanhas para nos ajudar”, contou Alícia.

Alícia teve a ajuda de duas ONG´s para levar o filho adolescente ao Brasil
Alícia teve a ajuda de duas ONG´s para levar o filho adolescente ao Brasil (Foto: Getty Images)

No dia 13 de agosto de 2021, a mulher passou quase um mês hospedada na casa de uma amiga que mora na capital de Roraima para arrecadar fundos e pagar a passagem de ida do filho Ivan Alexander Jove Vargas. No dia 4 de setembro, o menino conseguiu chegar em uma cidade venezuelana que faz fronteira com Pacaraima, no Brasil.

No mesmo dia, a mãe seguiu para Pacaraima para esperar o filho. Mesmo debaixo de muita chuva e com muitos contratempos, Ivan chegou ao Brasil são e salvo e se reencontrou com a mãe no meio da rua. “Choveu muito e fiquei com muito medo de ter que voltar. Mas deu tudo certo. Agora estou feliz de estar com a minha mãe, me sinto seguro agora”, disse Ivan.

Mãe e filho passaram mais de três meses em Pacaraima na sede de uma igreja parceira da Fraternidade. Durante esse tempo, fizeram os trâmites de documentação exigida no Brasil e tentaram, sem sucesso, a interiorização. Então, mais uma vez com a ajuda de doações, Alícia e Ivan conseguiram seguir viagem. Foram para Boa Vista e depois para São Paulo, onde estão atualmente.