Fiocruz começa neste mês produção de IFA para vacina contra covid-19

Após um contrato assinado pela instituição ontem, 1º de junho, a instituição informou que a produção das doses terá início em maio

Resumo da Notícia

  • Em 1º de junho, foi assinado um contrato para a produção de IFA no Brasil
  • O Ingrediente Farmacêutico Ativo permite e transferência de tecnologia para o país
  • Por mês, é estimado que 15 milhões de doses sejam produzidas

Nesta quarta-feira, 2 de junho, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou que vai começar ainda este mês a produzir o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da vacina contra a Covid-19 no Brasil, de maneira 100% nacional. Ontem, 1º de junho, foi assinado um contrato de transferência de tecnologia, na qual chegaram ao Brasil os bancos de células de vírus, considerados os materiais necessários para a tecnologia da vacina contra a covid-19.

-Publicidade-

A partir da assinatura do contrato, será permitido a fabricação da vacina no país. É estimado que, por mês, 15 milhões de doses sejam produzidas na fábrica de Bio-Manguinhos. Vale lembrar ainda que as primeiras doses feitas no Brasil serão entregues ao Plano Nacional de Imunização apenas em outubro.

As doses produzidas no Brasil serão entregues em outubro (Foto: Freepik)

“Bio-Manguinhos tem 45 anos de existência e, ao longo destes anos, desenvolveu competências tecnológicas que tornam a instituição capaz de internalizar todas as etapas produtivas, com toda a complexidade envolvida nos processos biotecnológicos. É uma resposta importante que trazemos para o país no combate à pandemia, aliada à incorporação de uma nova tecnologia que também poderá ser utilizada para trazer futuras soluções para a saúde da população”, disse Mauricio Zuma, diretor de Bio-Manguinhos/Fiocruz.

Neste momento, a fábrica já pode começar sua produção, pois todas as etapas anteriores já foram concluídas. O passo seguinte será o treinamento da equipe técnica e a elaboração dos documentos necessários. De início, serão feitos dois lotes de pré-validação e três de validação, que devem ser comparados pela AstraZeneca, até que a produção seja realizada em larga escala.