Gari decide pagar conta alheia ao encontrar boleto no lixão: “Me coloquei no lugar dessa família”

Márcio Henrique Lopes Pena se tornou exemplo para o filho de 11 anos e foi homenageado pela Prefeitura de Papagaios por meio de nota

Resumo da Notícia

  • Márcio Henrique Lopes Pena foi abordado por uma senhora desesperada que havia jogado acidentalmente um boleto no lixo
  • Ele procurou o documento por 2 horas e decidiu pagá-lo em uma lotérica
  • O ato do gari gerou orgulho do filho e da prefeitura do município onde trabalha

Um exemplo para todos! Márcio Henrique Lopes Pena, de 39 anos de idade, trabalha como gari no município de Papagaios, localizado no Centro-Oeste de Minas Gerais. Durante um dia de trabalho, o homem encontrou, no meio do lixão, um boleto de prestação de R$ 440 acompanhado do valor exato em dinheiro.

-Publicidade-

Enquanto estava trabalhando recolhendo o lixo da comunidade Riacho de Areia, Márcio Henrique foi abordado por uma senhora desesperada. A mulher pedia ajuda para o homem tentar encontrar o dinheiro e o boleto da prestação do carro do filho dela, descartado junto com o lixo doméstico sem querer.

Sensibilizado com a situação, Márcio decidiu ir até o local onde o lixo do município é depositado. Inserido no meio do lixo úmido e debaixo de um sol de quase 25ºC, a prestação foi encontrada pelo gari depois de quase duas horas revirando sacola por sacola.

Boleto encontrado por Márcio após 2 horas revirando sacola por sacola
Boleto encontrado por Márcio após 2 horas revirando sacola por sacola (Foto: Reprodução Arquivo Pessoal Márcio Henrique)

“Eu fiquei tão feliz quando vi o boleto, feliz por ter achado, por ter conseguido e já era um pensamento pronto de achar e pagar imediatamente. Foi uma emoção grande demais. Me coloquei no lugar dessa família, porque está tão difícil conseguir as coisas. E correr atrás dos sonhos só se for através de prestações. Graças a Deus encontramos e pagamos”, afirmou Márcio em entrevista exclusiva para o G1.

Após encontrar o documento perdido, o homem foi a uma casa lotérica e pagou o boleto .“Eu morro de orgulho do meu pai. O que ele fez foi uma boa atitude e quando eu crescer eu quero ser igual a ele”, disse o filho de Márcio, de 11 anos de idade , Guilherme Henrique Lopes Silva.

Além do orgulho do filho, a Prefeitura de Papagaios, onde o gari trabalha há 21 anos, também decidiu mostrar respeito e gratidão pela atitude solidária do cidadão, ao emitir uma nota oficial declarando orgulho da atitude de Márcio Henrique.