Garota de 5 anos morre após cair de prédio e responsáveis são indiciados: “Foi abandono de incapaz”

Os responsáveis pela menina, Luna, de 5 anos, estão sendo acusados por abandono de incapaz e o apartamento que a garota ficou sozinha, não tinha proteção na janela

Resumo da Notícia

  • Garota de 5 anos morreu após cair de janela em Santa Catarina
  • Os responsáveis deixaram ela sozinha por mais de 50 minutos em apartamento
  • O local não tinha proteção na janela

A mãe e o Padrastro de Luna Victorique Zabatiero Cartola, foram acusados de abandono de incapaz e morte da garota. Ela caiu do quarto andar de um prédio em Chapecó, Oeste Catarinense.

-Publicidade-

Segundo moradores do local, o apartamento não tinha proteção nas janelas e os responsáveis deixaram a garota sozinha. Segundo investigações, a mãe e o padrasto tinham ido ao mercado no momento da fatalidade.

Segundo o delegado do caso, Éder Matte, a garota ficou sozinha por mais tempo do que o falado. “A gente verificou que a ausência dos pais foi bem maior que o apurado inicialmente. A informação inicial era de que seria de 20 minutos, entretanto, durante as investigações, a gente apurou que o tempo foi bem maior, de aproximadamente uma hora”, disse.

Luna caiu da janela do 4º andar que não tinha tela de proteção (Foto: Reprodução/ Facebook)

Ele também falou que a polícia teve acesso às imagens de monitoramento do estabelecimento em que o casal estava. Foi visto que a mãe chegou no supermercado às 19h27 e saiu às 20h20, ou seja, 53 minutos longe da filha fora o tempo do trajeto até o local de destino.

Uma vizinha ao perceber a queda, chamou a emergência mas a menina já estava sem sinais vitais. Ela foi levada ao hospital mas o óbito foi confirmado.

Sobre o caso

Luna Victorique Zabatiero Carlota, de 5 anos de idade, morreu na última sexta-feira, 8 de abril, após cair do quarto andar de prédio em Chapecó, em Santa Catarina. De acordo com o delegado responsável pelo caso, houve negligência por parte da mãe e do padrasto da menina.

O que já havia sido dito pelos vizinhos, foi confirmado pelos casal. Eles confessaram que costumava deixar, em alguns dias, a menina sozinha em casa. “A mãe afirmou que sim, a criança ficava sozinha em casa em alguns momentos. Períodos curtos. Principalmente em alguns momentos que o padrasto ia levar a esposa até o trabalho.  Cerca de 15 a 20 minutos”, disse a autoridade policial.