Gêmeas têm condição rara que torna os cabelos impossíveis de pentear: entenda

As meninas de 9 anos são 2 de 100 crianças que sofrem da síndrome do cabelo impenteável

Resumo da Notícia

  • As meninas de 9 anos são 2 de 100 crianças que sofrem da síndrome do cabelo impenteável
  • O que significa que suas mechas estão sempre crespas e estáticas
  • A mãe, Ângela, de 52 anos, acredita que elas são as únicas gêmeas do mundo que sofrem da condição

As meninas de 9 anos são 2 de 100 crianças que sofrem da síndrome do cabelo impenteável, em inglês: uncombable hair syndrome (UHS). O que significa que suas mechas estão sempre crespas e estáticas. A mãe, Ângela, de 52 anos, acredita que elas são as únicas gêmeas do mundo que sofrem da condição, segundo o The Sun.

-Publicidade-

Quando o cabelo das meninas começou a crescer a mãe logo percebeu que ele tinha uma textura grossa estranha. Depois de levá-las para uma consulta de rotina a médica apontou que elas poderiam sofrer da síndrome. Uma amostra de cada um dos cabelos foi retirada para que realizassem um teste e, embora nenhum diagnóstico formal tenha sido feito, a família está convencida de que a médica estava certa.

Atualmente elas têm 9 anos (Foto: reprodução The Sun)

“Eu não sei o que mais poderia ser. Acho que afeta a cor também, pois eles têm o mesmo tom loiro branco de muitas outras crianças com UHS”, apontou a mãe.

Como o cabelo das meninas cresce impressionantemente devagar, elas só tiveram 3 cortes na vida, totalizando em um total de 5 centímetros. A mãe só pode lavar o cabelo delas uma vez por semana, pois, embora seja normalmente macio ao toque, qualquer coisa mais o faz ficar emaranhado.

“Quase não usamos shampoo, pois isso agrava o frizz. Usamos muito condicionador, no entanto. Acabamos com uma garrafa por semana”, disse Ângela.

Elas nasceram com a condição (Foto: reprodução The Sun)

Com contato com outras famílias que sofrem com a mesma condição a mãe apontou que é bom conhecer outras pessoas com realidades semelhantes, mas a síndrome não impacta muito a vida das meninas. Inclusive disse que elas nunca receberam nenhum comentário negativo e que as crianças da escola as tratam muito bem.

“Além disso, eles amam os cabelos. Eles não o mudariam por nada no mundo, e desta forma, eles sempre se destacariam na multidão”, complementou a mãe.

Ângela ainda disse que, de acordo com pesquisas que a família fez, o cabelo, conforme cresce e pesa vai ficando mais liso. Geralmente as gêmeas o usam solto ou preso em coque, além de já terem o alisado em eventos especiais, mas com a pouca idade Ângela não gosta que elas façam muitas alterações. “Eles têm muito orgulho de seus cabelos e adoram que ambos os tenham”, concluiu a mãe.