Georgios Papanikolaou: Google faz homenagem ao inventor do teste que salva a vida das mulheres há 76 anos

Conheça o senhor que está na ilustração da plataforma hoje

Médico e descobridor dos testes de câncer no útero (foto: Getty)

O câncer no colo do útero é uma das principais causas de morte entre as mulheres. A descoberta do teste que averigua esse mal foi feita pelo médico grego George Papanicolaou. Hoje ele completaria 136 anos e é o homenageado do Google Doodle.

-Publicidade-

O câncer

A prevenção primária do câncer do colo do útero está relacionada à diminuição do risco de contágio pelo Papilomavírus Humano (HPV). A transmissão da infecção ocorre por via sexual, presumidamente por meio de abrasões microscópicas na mucosa ou na pele da região anogenital. Consequentemente, o uso de preservativos (camisinha masculina ou feminina) durante a relação sexual com penetração protege parcialmente do contágio pelo HPV, que também pode ocorrer pelo contato com a pele da vulva, região perineal, perianal e bolsa escrotal.

Segundo informações do INCA, o Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal, em 2014, a vacina tetravalente contra o HPV para meninas de 9 a 13 anos. A partir de 2017, o Ministério estendeu a vacina para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. Essa vacina protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do HPV. Os dois primeiros causam verrugas genitais e os dois últimos são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero.

-Publicidade-

A vacinação e a realização do exame preventivo (Papanicolau) se complementam como ações de prevenção desse tipo de câncer. Mesmo as mulheres vacinadas, quando alcançarem a idade preconizada (a partir dos 25 anos), deverão fazer o exame preventivo periodicamente, pois a vacina não protege contra todos os tipos oncogênicos do HPV.

Quem foi Papanicolaou?

A vida de George foi bem complicado, emigrou da ilha grega de Eubéia para Nova York quando tinha 30 anos, a mudança foi para que pudesse ter mais oportunidades de trabalho. Em Nova York, Papanicolaou trabalhou como vendedor de tapetes, violinista e até como funcionário de jornal antes de conseguir um emprego no Departamento de Patologia da Universidade de Nova York e no Departamento de Anatomia da Faculdade de Medicina da Universidade de Cornell.

Ele morreu em 1962 de insuficiência cardíaca e foi autor de mais de 150 publicações, de acordo com a Sociedade Papanicolaou de Citopatologia.
Leia também:

-Publicidade-