Gestantes em situação de vulnerabilidade recebem chá revelação coletivo e se emocionam

O chá revelação coletivo foi realizado pela prefeitura de Maranguape, em Fortaleza, e beneficiou 14 mães

Resumo da Notícia

  • No Ceará, foi realizado um Chá revelação coletivo
  • A organização foi feita pela prefeitura da cidade
  • O evento aconteceu devido a um projeto que atende grávidas em situação de vulnerabilidade

Na última sexta-feira, dia 10 de maio, a prefeitura de Maranguape, Fortaleza, promoveu um chá revelação coletivo em que dezenas de gestantes participaram. O evento foi emocionante tanto para as mães, quanto para outros familiares presentes, que puderam descobrir o sexo das crianças.

-Publicidade-

Nas redes sociais da prefeitura, foi publicado um vídeo que mostra os momentos em que as mães estouram balões que tinham a revelação do sexo dos bebês por meio de papéis de cor rosa ou azul. Muitos casais se abraçaram, choraram e se emocionaram.

“O chá revelação das gestantes é uma das ações do programa ‘Anjos da Vida’, voltado para primeira infância, para o cuidado com aquelas ‘mãezinhas’ que não tem tanta condição [financeira], que a gente dá o apoio a partir das quatorze semanas até a gestação”, disse Suzana Câmara, primeira-dama de Maranguape, ao G1. O programa atende 101 gestantes em situação de vulnerabilidade.

Gestantes em situação de vulnerabilidade recebem chá revelação coletivo (Foto: Divulgação)
Gestantes em situação de vulnerabilidade recebem chá revelação coletivo (Foto: Divulgação)

O projeto ainda oferece outros serviços às gestantes, como orientações, cestas básicas, e também, um book de fotos. A expectativa do governo era atender 24 gestantes para o chá revelação, mas apenas 14 mães conseguiram ver o sexo da criança quando realizaram a ultrassom.

O programa “Anjos da Vida” atende grávidas divididas entre os seis Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) do município. A primeira-dama completou: “Foi um momento muito emocionante. Muitas delas não tem condição de ter esse momento com as famílias, não tem condição mesmo. E elas precisam desse olhar, dessa atenção.”