Família

Glenda Kozlowski abre o jogo sobre ter engravidado cedo e morte da mãe: “Foi um ano muito difícil”

A jornalista contou a história em entrevista ao UOL Esporte

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

Glenda quando criança pretendia ser jogadora de vôlei (Foto: Divulgação TV Globo)

Glenda Kozlowski, tetracampeã mundial pelo bodyboarding e atualmente repórter e jornalista do Grupo Globo, perdeu a mãe Anamaria depois de um câncer agressivo e engravidou pela primeira vez aos 20 anos, de Gabriel. Em entrevista ao UOL Esporte, a campeã contou um pouco como foi passar por toda essa situação.

Quando perguntada sobre a morte repentina da mãe, Glenda refletiu o quanto a vida é fugaz e o quão a mãe era uma mulher forte e saudável. “A vida passa muito rápido. Hoje você está aqui, amanhã não está mais. Eu vi minha mãe definhar e ela era minha referência. Ela era forte, era incrível, e ela definhou em seis meses. Estava saudável e seis meses depois ela ficou um palito, careca, em uma cama de hospital, entrou em coma e morreu”.

Depois de meses da morte da mãe, Glenda ainda não estava realmente recuperada da morte mas mesmo assim, acabou engravidando de Gabriel. E por isso, lidar com alegria e com a tristeza foi complicado, fazendo com que a jornalista tivesse depressão pós-parto.

“Eu tive uma depressão muito severa, parei de amamentar porque tive que tomar remédios. Não lidei bem com o início da maternidade, eu não conseguia fazer aquilo, eu sentia muita falta da minha mãe. Foi um processo de um ano muito difícil“, conta Glenda.

O filho foi crescendo e a rotina da mãe aumentando junto, Gabriel viveu no cotidiano de hotéis, aeroportos e mudanças constantes da mãe. Glenda fazia o possível para ser presente e acompanhar a vida dele, mas acabou sendo inevitável o sofrimento do menino.

“Ele não tinha mãe, né? Eu estava nos Estados Unidos, então o Gabriel é americano. Quando voltei e fui contratada pela Globo, ele tinha três meses. E aí como é que faz? Eu trabalhava 20 horas por dia. A infância do Gabriel foi muito turbulenta. E isso é difícil”, explicou.

Mas após todas essas dificuldades, depois que Gabriel foi embora para Portugal estudar, ele entendeu que tudo o que aconteceu foi pelo bem dele. “Antes dele ir embora para Portugal fazer faculdade, ele falou: ‘mãe, eu sofri bastante com a sua ausência, mas hoje entendo tudo o que você fez por mim, então eu quero te agradecer muito tudo'”, lembrou. Mãe é mãe, né? Que bom que ficou tudo bem!

 

Leia também:

Bebê sobrevive dois dias sozinho após morte de sua mãe

Pai explica morte da mãe para filha de uma maneira bem simples

Filha de Caroline Bittencourt fala sobre a morte da mãe: “Imensa sensação de vazio”