Golden Retrievier ganha livraria com o próprio nome e vira gerente da loja

Stacy encontrou a melhor forma de juntar o sonho profissional com o desejo de não ficar longe do pet

Resumo da Notícia

  • Golden Retrievier ganha livraria com o próprio nome e vira gerente da loja
  • Stacy encontrou a melhor forma de juntar o sonho profissional com o desejo de não ficar longe do pet
  • Hoje, a livraria é um sucesso, muito por conta da cachorra

Onde deixar os pets quando está trabalhando pode ser uma dúvida que atormenta muitas pessoas. Essa questão estava tirando o sono de  Stacy Gould, que mora na Califórnia, nos Estados Unidos. Ela queria muito abrir uma livraria, mas sabia que ter o próprio negócio provavelmente a faria trabalhar por mais horas e, às vezes, em momentos diferentes do dia. Quando pensava em realizar o sonho e abrir a loja, logo se preocupava com a cachorra da família, já que provavelmente precisaria deixar o pet sozinho por muitas horas.

-Publicidade-

Foi então que teve uma ideia: transformar o pet em “dono” da livraria e levá-lo para lá. Stacy decidiu, até mesmo, dar o nome da cachorra à livraria. “Ruby teria que vir comigo todos os dias para a loja, então pensamos: ‘Por que não damos o nome de Ruby à loja?”, disse a tutora ao The Dodo.

Golden Retrievier ganha livraria com o próprio nome e vira gerente da loja
Golden Retrievier ganha livraria com o próprio nome e vira gerente da loja (Foto: reprodução Instagram)

Não precisamos nem falar que foi sucesso na certa! Hoje, clientes passam pela livraria e entram sem nem mesmo quererem comprar algo, só para dar um oi para Ruby, que é co-proprietária, recepcionista e gerente. “Os clientes adoram Ruby e ela se tornou uma referência aqui na Sutter Street. Muitas vezes brincamos que as pessoas vêm pelos livros, mas ficam pelo cachorro!”, contou Stacy.

E os deveres da cachorra estão todos bem listados e claros, para não ter nenhuma confusão! “Seus deveres incluem cumprimentar cada cliente na porta, rolar para infinitas massagens na barriga, cheirar guloseimas nos bolsos de nossos clientes, esfregar o chão com seu rabo muito fofo [e] ler (bem, ela finge) ao lado dos pequenos. na seção infantil”, explicou a dona.