Grávida pode tomar café? Entenda os riscos e saiba a quantidade certa por dia

Nesta quarta-feira, 14 de abril, é comemorado o Dia Mundial do Café. Ele é figurinha carimbada nas casas das famílias e faz parte do cotidiano de muita gente, mas mulheres grávidas precisam ficar atentas ao consumo da bebida

Resumo da Notícia

  • Nesta quarta-feira, 14 de abril, é comemorado o Dia Mundial do Café!
  • Essa bebida está presente no cotidiano de muitas famílias, mas grávidas precisam estar atentas ao consumo dessa bebida
  • Produtos à base de cafeína, como café, chás, refrigerantes a base de cola e energéticos são altamente estimulantes, por isso é necessário que a gestante converse com um médico sobre o assunto

Nesta quarta-feira, 14 de abril, é comemorado o Dia Mundial do Café! Não importa a temperatura, horário do dia ou ocasião, essa bebida está sempre presente no cotidiano das famílias e traz muitas memórias afetivas.

-Publicidade-

É fato que aproveitar um momento de descanso com a família para tomar uma xícara de café e até mesmo comer um bolo com todos na mesa faz diferença e é importante para o fortalecimento do vínculo entre pais e filhos. Mas, atenção: mulheres que estão grávidas precisam consumir essa bebida com cautela.

Produtos à base de cafeína, como café, chás, refrigerantes a base de cola e energéticos são altamente estimulantes, além de poderem provocar taquicardia no bebê. Mas isso quer dizer que grávidas estão terminantemente proibidas de beber café? Não. Mas existem quantidades certas e é preciso conversar com o seu médico para saber o que você pode ou não tomar.

“É preciso analisar os sintomas durante a gestação, pois o café pode trazer sensibilidade estomacal. A bebida em excesso não é recomendada, assim como água. Grávidas podem tomar 3 xícaras de café ao longo do dia, em horários espaçados e longe das refeições, pois ele pode afetar a absorção de ferro, nutriente muito importante durante a gestação”, comenta dra. Elaine de Pádua, nutricionista pós-graduada em doenças crônico-degenerativas, mestre pela UNIFESP, autora do livro “O que tem no prato do seu filho”, colunista da Pais&Filhos e mãe de Rafaella e Isabella. Veja outros alimentos que a grávida deve evitar consumir.

Entenda se grávida pode tomar café

Principais fontes de cafeína

A quantidade de cafeína em cada um desses alimentos pode variar muito. O café, por exempli, pode ter de 29 a 176 miligramas de cafeína por xícara. No chá, esse número vai de 8 a 107mg/xícara; no chocolate, 5 a 10mg; no refrigerante de cola, de 32 a 65mg em 360 ml.

Qual a quantidade de café que a grávida pode tomar?

As recomendações médicas sobre ingestão segura de cafeína variam de 150mg a 300mg por dia. Isso equivale a três xícaras pequenas de café expresso, de 60 ml cada. De acordo com a associação American College of Obstetricians and Gynecologists, 200 miligramas de cafeína é uma quantia que parece não oferecer riscos como perda gestacional ou parto prematuro. Antes de começar a tomar a bebida, converse com seu médico.

Isso muda para gestações de risco?

Sim. Existem diversos estudos que analisam a influência da cafeína durante a gestação (ao final da matéria você pode encontrar um). O consumo em excesso dessa substância está diretamente relacionada à redução do crescimento fetal, prematuridade, bebês recém-nascidos com baixo peso e até mesmo aborto espontâneo – por isso é importante seguir as recomendações médicas e tomar somente a quantia indicada pelo profissional.

Alimentos que contém cafeína que a grávida pode consumir

Quando consumida com moderação, seguindo protocolos médicos, a cafeína pode trazer benefícios. Veja abaixo a lista de alimentos com essa substância que a grávida pode incluir no cardápio, a porção e quantidade de cafeína em miligramas que eles possuem:

Alimentos com cafeína que a grávida pode consumir
Alimentos com cafeína que a grávida pode consumir

Mães que amamentam podem tomar café?

Após o parto e durante a amamentação, ainda é recomendado ingerir uma quantidade pequena de café porque causa das propriedades estimulantes da cafeína. Ela pode deixar o bebê agitado, uma vez que a substância passa do organismo da mãe para o bebê através do leite.

Consultoria: dra. Fernanda Pepicelli, ginecologista e obstetra da Clínica MedPrimus e mãe de Rafael; dra. Elaine de Pádua, nutricionista pós-graduada em doenças crônico-degenerativas, mestre pela UNIFESP, autora do livro “O que tem no prato do seu filho”, colunista da Pais&Filhos e mãe de Rafaella e Isabella; dra. Flávia Montanari, nutricionista infantil da Liga da Cozinha Afetiva. 

Pesquisa defende que café em excesso pode afetar o tamanho do bebê

Um estudo realizado nos Estados Unidos mostrou que mulheres que bebem uma quantidade moderada de café durante a gravidez correm o risco de ter um bebê pequeno. Liderado por Katherine L. Grantz, do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano Eunice Kennedy Shriver dos Estados Unidos, e publicado no periódico científico JAMA Network Open, ele mostrou que grávidas que beberam meia xícara de café por dia deram à luz bebês um pouco menores do que as gestantes que não ingeriram bebidas cafeinadas.

Através da pesquisa, acredita-se que a cafeína causa a contração dos vasos sanguíneos do útero e da placenta, o que pode reduzir o suprimento de sangue ao feto e diminuir o crescimento. O tamanho menor dos recém-nascidos pode colocá-los em maior risco de obesidade, doenças cardíacas e diabetes futuramente.

“Nossos resultados sugerem que pode ser pertinente reduzir ou não ingerir bebidas que contêm cafeína durante a gravidez”, disse Grantz.  Sendo assim, os especialistas aconselham as mulheres grávidas a parar de tomar chás com cafeína, café e energéticos, apesar do Instituto de Saúde dos EUA dizer que mulheres grávidas podem beber cafeína, mas não mais do que 200 miligramas (mg) por dia.

Grávidas podem tomar somente 200mg de café por dia (Foto: Getty Images)

Para chegar ao resultado da pesquisa, os estudiosos analisaram dados de mais de 2.000 mulheres racial e etnicamente diversas em 12 centros clínicos da 8ª a 13ª semana de gravidez. As mulheres não eram fumantes e não apresentavam problemas de saúde antes de engravidarem. Das semanas 10 a 13 de gravidez, as mulheres forneceram uma amostra de sangue que foi analisada para cafeína e paraxantina, um composto produzido quando a cafeína é decomposta no corpo.

Ao comparar o tamanho dos bebês nascidos de mulheres sem ou com níveis mínimos de cafeína no sangue e os bebês nascidos de mulheres que tinham os níveis mais altos de cafeína no sangue, a diferença era em média de 84 gramas e 0,44 cm menores. “Nossos resultados sugerem que o consumo de cafeína durante a gravidez, mesmo em níveis muito mais baixos do que os 200 mg por dia recomendados de cafeína, pode estar associado à diminuição do crescimento fetal”.

Por isso, uma conversa com um especialista e seu médico durante a gravidez é fundamental. Assim, vocês dois podem entender qual é a melhor decisão a se tomar e se você pode continuar tomando uma pequena quantidade de café – ou cortar a bebida de vez enquanto você está gerando o seu filho.