Grávida que não resistiu após tiro na barriga é enterrada em Vila Velha

Carolina Ferraz Scalfoni foi atingida por um disparo que veio da arma do marido, o agente da Guarda Municipal de Vitória, Luiz Roberto Ramalheite

Resumo da Notícia

  • Grávida que foi atingida por um tiro barriga nesta quinta-feira é enterrada
  • O disparo foi feito pelo marido de Carolina Ferraz Scalfoni
  • Luiz Roberto Ramalheite alega que o tiro foi feito acidentalmente

Carolina Ferraz Scalfoni não resistiu ao ser baleada na barriga nesta quinta-feira, 2 de dezembro. O tiro foi disparado pelo marido dela, o agente da Guarda Municipal de Vitória, Luiz Roberto Ramalheite.

-Publicidade-
Grávida não resiste ao ser baleada na barriga e é enterrada neste sábado
Grávida não resiste ao ser baleada na barriga e é enterrada neste sábado (Foto: reprodução/TV Gazeta)

A mulher estava grávida, a espera do primeiro filho do casal. O velório e o enterro aconteceu na manhã deste sábado, 4 de dezembro, no cemitério Parque da Paz, em Vila Velha e contou com a presença de amigos e familiares de Carolina, de acordo com informações do G1.

Ao portal, um irmão do agente comentou que todos estão bem “abalados” e “transtornados” com a situação. O caso que aconteceu na Praia de Itaparica, em Vila Velha, no Espírito Santo, teve um fim trágico com o falecimento da mulher.

Além dela, o guarda Luiz Roberto Ramalheite também foi atingido na mão pelo disparo. Ambos foram socorridos, porém Carolina não resistiu ao ser socorrida no Hospital Antônio Bezerra de Faria.

Carolina Ferraz Scalfoni não resistiu ao ser atingida pela bala
Carolina Ferraz Scalfoni não resistiu ao ser atingida pela bala, disparada pelo marido (Foto: reprodução/TV Gazeta)

Um amigo do agente informou à Polícia Militar, segundo o G1: “O que foi passado para mim é que ele estava no quarto fazendo a limpeza da arma e aí ela passou para informar que ia para a academia e a arma teve um disparo acidental, que pegou no tórax dela, no peito”.

A situação está sob investigação e Luiz Roberto vai responder por homicídio culposo, aquele em que não há intenção em matar. Ele foi afastado das funções pela Guarda Municipal de Vitória por 8 dias e, após voltar, ficará com serviços administrativos.