Grécia decide dar 2 mil euros para casais que tiverem filhos em 2020

A medida foi estabelecida pelo Governo grego para aumentar o número de pessoas jovens no país

Resumo da Notícia

  • Governo da Grécia quer ajudar os futuros pais nos primeiros anos de vida das crianças
  • É uma forma de incentivar os casais a terem filhos devido ao problema de envelhecimento das pessoas
  • O país vem lidando com diversos problemas de natalidade
As família irão receber uma ajuda nos primeiros anos de vida do filho (Foto: reprodução/ Getty Images)

O Governo da Grécia decidiu que daria 2 mil euros por cada criança nascida no país a partir em 2020. Essa medida foi tomada devido ao grande número de pessoas idosas e pela falta de pessoas jovens em todo os país.

-Publicidade-

Segundo o site EXAME, o Governo quer dar apoio financeiro aos pais durante os primeiros anos de vida do filho, em duas parcelas anuais e está disponível para qualquer família cujos rendimentos anuais não excedam os 40 mil euros.

Pesquisas mostram que haveria uma redução de 1/3 da população grega nos próximos 30 anos. As estatísticas mostram uma redução muito acentuada da taxa de natalidade, de acordo com o jornal britânico The Guardian.

-Publicidade-

Segundo Serviço de Estatística da União Europeia, até 2050, cerca de 36% da população grega vai ter mais de 65 anos, uma previsão que preocupa o Governo. Por isso optaram por esse incentivo financeiro, com as expectativas de aumentar o número de jovens no país.

“As pessoas podem pensar que esta é uma questão de orgulho nacional, mas na verdade é uma questão de preservação nacional. As altas taxas de produtividade estão associadas às populações jovens e não ao envelhecimento ativo, por isso este assunto deve ser uma prioridade do crescimento econômico. Tudo isto fica pior, quando olhamos para o estado difícil do nosso sistema de pensões”, afirmou a vice-ministra do Trabalho e dos Assuntos Sociais, Domma Michailidou, segundo o site.

“A maioria eram jovens profissionais, agora estabelecidos em zonas mais prósperas do continente Europeu, dos Estados Unidos, Canadá e Austrália”, declarou Michailidou, pois entre 2010 e 2015, cerca de 500 mil pessoas deixaram o país para procurar emprego.

Essa medida irá custar cerca de 180 milhões de euros por ano para o Governo. E também está disponível para qualquer estrangeiro que resida no país há pelo menos 12 meses.

    -Publicidade-